Dia Nacional de Luta em Defesa do Serviço Público é marcado com protesto em frente ao HPS

Dia Nacional de Luta em Defesa do Serviço Público é marcado com protesto em frente ao HPS

Sindicalistas alertaram que projeto de Reforma Administrativa que está na Câmara Federal quer colocar o serviço público na mão de iniciativa privada

Cláudio Isaías

Ato em frente ao HPS protestou contra o projeto de reforma administrativa que será analisada pela Câmara dos Deputados

publicidade

O Dia Nacional de Luta em Defesa do Serviço Público, organizado pela Central Única dos Trabalhadores (CUT) e por diversos sindicatos em todo o país, realizou uma manifestação na frente ao Hospital de Pronto Socorro (HPS), no bairro Bom Fim. Um grupo de 40 sindicalistas protestou contra o fim o do serviço público.

O diretor-geral João Ezequiel, do Sindicato dos Municipários de Porto Alegre (Simpa) afirmou que o projeto de Reforma Administrativa que está na Câmara Federal quer colocar o serviço público na mão de iniciativa privada e dos governos corruptos. Segundo ele, existem pessoas que querem tirar a estabilidade dos servidores públicos no emprego. "Assim eles poderão manipular a máquina pública e no momento em que isso ocorrer eles poderão demitir os servidores públicos e dar andamento aos casos de corrupção", acrescentou.

O presidente da CUT/RS, Amarildo Cenci, disse que a proposta do governo federal com a Reforma Administrativa é retirar o estado do papel de realizar as políticas públicas nas áreas da saúde, educação e outras áreas. “Temos que deixar claro para o povo brasileiro que a entrega das estatais para o setor privado e que os ataques ao funcionalismo público são penosos não somente aos servidores públicos, mas à população como um todo, que sofrerá com a falta de estrutura e a dificuldade de acesso a serviços em setores públicos", acrescentou.

Além de Porto Alegre, mais sete cidades do interior (Bagé, Caxias do Sul, Cruz Alta,  Passo Fundo, Pelotas,  Rio Grande e São Leopoldo), além de mais dez capitais e outros municípios, trabalhadores e trabalhadoras participaram de  atos em defesa das estatais e do serviço público e contra o projeto de Reforma Administrativa do governo do presidente da República, Jair Bolsonaro.

"A luta é pelo patrimônio do povo, por empregos e pelo serviço público acessível e de qualidade", explicou Cenci.

Segundo ele, o protesto teve o objetivo de denunciar os prejuízos que o governo federal causa com projetos de privatização de estatais estratégicas para o Brasil. "A Reforma Administrativa, que ataca servidores e sucateia o serviço público, acaba por prejudicar a sociedade brasileira", destacou.

Os sindicalistas, cerca de 40 pessoas, carregavam cartazes com as seguintes mensagens: "Em Defesa do Serviço Público. Saúde é um direito do povo", "Não é uma reforma. É o fim dos serviços públicos." e "Servidores federais do RS Unidos contra a Reforma Administrativa".


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895