Dilma recebe apoio dos movimentos sociais e volta defender a democracia

Dilma recebe apoio dos movimentos sociais e volta defender a democracia

Presidente afirmou que o respeito aos candidatos é "algo que temos que preservar custe o que custar"

Por
Agência Brasil

Dilma se reuniu com oito movimentos sociais


publicidade

A presidente Dilma Rousseff voltou a defender a democracia e o respeito aos candidatos vitoriosos nas eleições. "A democracia é algo que temos que preservar custe o que custar", disse ao lembrar o período em que esteve presa durante a ditadura militar.

"Respeitar não é ficar agradando o adversário. Eu brigo até a hora do voto e depois, eu respeito o resultado da eleição", afirmou ainda durante reunião com movimentos sociais nesta quinta-feira no Palácio do Planalto.

A presidente discursou após, por mais de uma hora, ouvir as falas de representantes de oito entidades. Os movimentos se posicionaram contra qualquer proposta de fim do mandato presidencial antes de 2018. Eles reafirmaram também suas reivindicações contra as consequências do ajuste fiscal nos programas sociais do governo.

Dilma disse que enfrentará o atual momento do país sem que haja retrocessos nas políticas sociais. "Não estou aqui para resolver todos esses problemas este ano. Estou aqui para resolver esses problemas e entregar um país muito melhor no dia 31 de dezembro de 2018".

A presidente citou o Mais Médicos e o Minha Casa, Minha Vida, como exemplos de programas que buscam superar as desigualdades sociais brasileiras, e ouviu da plateia gritos de apoio, como "não vai ter golpe". Em resposta, Dilma voltou a fazer referência a um trecho da canção Gino e Geno, do cantor e compositor Lenine, para dizer que "enverga, mas não quebra".