Abstenção cresce pouco com pandemia e TSE comemora

Abstenção cresce pouco com pandemia e TSE comemora

"Nós tivemos a preocupação de dar máxima segurança à saúde de todos", disse o ministro Luís Roberto Barroso, presidente da corte

R7

Luís Roberto Barroso, presidente do TSE, comemorou resultado das eleições

publicidade

Em meio a pandemia do novo coronavírus, o Brasil terminou o primeiro turno das eleições municipais com taxa de abstenção de 23%, índice pouco superior ao registrado no pleito presidencial de 2018 (20,3%). Durante entrevista coletiva na noite deste domingo, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luís Roberto Barroso, comemorou o resultado, abaixo dos 25% esperados.

“Queria cumprimentar o eleitorado brasileiro, que compareceu em massa, apesar das circunstâncias. Nós tivemos a preocupação de dar máxima segurança à saúde de todos”.

Quando comparado com o último pleito municipal, a alta foi mais expressiva. Em 2016, 17,5% dos eleitores aptos a votar deixaram de ir às urnas.

O estado com a maior taxa de abstenção foi o Rio de Janeiro, com 28,08%, seguido por Rondônia, com 27,81%. Por outro lado, o Piauí foi o local com o maior comparecimento percentual de eleitores: apenas 15,42% deixaram de votar neste domingo.

Veja Também

Segundo Barroso, o país concluiu a apuração das urnas pouco antes da meia-noite. O ministro, no entanto, reiterou que o atraso de três horas na divulgação dos resultados ocorreu devido a uma falha em um computador. Ainda de acordo com ele, a demora se deu apenas na divulgação dos números, já que os dados dos tribunais regionais eleitorais foram recebidos normalmente.

Segundo o ministro, não houve qualquer risco para integridade do sistema e à segurança do sigilo dos votos, porque o problema ocorreu somente na divulgação. Os dados dos tribunais regionais eleitorais foram recebidos normalmente.

“Lamento o atraso ocorrido. Ele decorreu, provavelmente, do aumento das medidas de segurança que nós trouxemos para o sistema e de uma possível falha em um dos processadores. A demora não compromete a integridade do sistema, menos ainda uma demora de menos de três horas”, garantiu.



Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895