Manuela D'Ávila defende um projeto de três linhas no enfrentamento da pandemia

Manuela D'Ávila defende um projeto de três linhas no enfrentamento da pandemia

Candidata foi entrevistada pelo programa Esfera Pública, da Rádio Guaíba, nesta quarta-feira 

Correio do Povo

Manuela D'Ávila disputa o segundo turno contra o candidato do MDB, Sebastião Melo

publicidade

A candidata do PCdoB, Manuela D'Ávila, afirmou nesta terça-feira, que, se eleita, contará com um plano de três passos para enfrentamento da pandemia causada pelo novo coronavírus: garantir a gestão própria da vacina (caso não seja feito pelo governo federal), a garantia de trabalho e renda e a retomada dos vínculos das crianças com a rede municipal. “Eu sou a candidata que quer trabalhar para que Porto Alegre não feche”, afirmou Manuela, em entrevista ao programa “Esfera Pública”, da Rádio Guaíba. 

Uma das propostas é a criação de um microcrédito e o repasse de um percentual de compras públicas para micro e pequenas empresas. Além disso, Manuela  também citou a compra de alimentos derivados da agricultura familiar. Outra proposta de campanha da candidata do PCdoB para ajudar a conter os efeitos da pandemia é a suspensão imediata do aumento do IPTU comercial. Embora favorável à medida por acreditar que o IPTU é tributo que, quando cobrado de maneira progressiva pode ser mais justo, Manuela explicou que entende que a suspensão do aumento seja uma solução imediata para evitar que o comércio feche na Capital. 

Em contraponto com o seu concorrente, Sebastião Melo (MDB), a candidata afirmou que tem como uma de suas bandeiras manter a Carris pública e a diminuição do preço da passagem. Para isso, Manuela explicou, criará um fundo de mobilidade urbana usando parte dos recursos de IPVA e integralidade dos recursos das multas de estacionamento recolhidas pela EPTC. A candidata também defendeu que o DMAE continue sob gestão pública. 

Caso eleita, Manuela projetou uma gestão com a ampla participação da comunidade. Ela tem como proposta retomar as reuniões do Orçamento Participativo. No que se refere ao plano diretor, propõe o conceito de bairros completos: “A ideia é ter mais serviços da cidade nas regiões mais distantes, para que as mulheres e homens tenham que se deslocar menos”, destacou Manuela. 

Durante a entrevista, a candidata disse ainda que a campanha de segundo turno é sobre mostrar a verdade sobre ela e seu adversário aos eleitores. Manuela citou o ocorrido nesta quarta-feira em que Melo registrou um boletim de ocorrência contra ela por crime eleitoral. Segundo afirmado por ele, Manuela teria chamado o candidato de “racista” durante propaganda eleitoral. A ação judicial de retirada da propaganda do ar foi negada pela Justiça Federal. “Melo armou um espetáculo sobre algo que eu nunca disse”, comentou. “Eu acho que esse é um debate sobre a verdade, não ideológico. Sobre quem somos e quem andamos na eleição.”


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895