Sebastião Melo diz não ser "bolsonarista" e critica MDB no governo Lula

Sebastião Melo diz não ser "bolsonarista" e critica MDB no governo Lula

Prefeito de Porto Alegre está decepcionado com Simone Tebet e vê partido sendo "puxadinho do PT"

Felipe Nabinger

Sebastião Melo concedeu entrevista ao Esfera Pública, da Rádio Guaíba

publicidade

“Não sou bolsonarista e muito menos lulista. Eu sou Sebastião Melo, social-democrata, um cidadão que conversa com todos os lados e respeita quem pensa diferente”. A afirmação do prefeito de Porto Alegre sobre sua adesão no segundo turno à campanha de Jair Bolsonaro, que fracasso na busca pela reeleição à presidência da República, foi dada nesta sexta-feira, em entrevista ao Esfera Pública, da Rádio Guaíba. Melo também criticou seu partido, o MDB, por entrar no governo de transição do PT, a decepção com Simone Tebet e a política econômica de Lula. 

Afirmando ter feito campanha e votado em Simone Tebet no primeiro turno, diferente de emedebistas que optaram por um ou outro candidato que polarizou o cenário nacional, Melo disse ter ficado decepcionado com a senadora. Além disso, criticou a entrada de seu partido no governo de transição como um “puxadinho” do PT. “Sou frontalmente contra a entrada do MDB no governo do PT. O MDB se perdeu ao longo da sua história, assim como o MDB do Estado está se perdendo”, disse. O prefeito revelou ter externado seu pensamento ao presidente nacional da sigla, Baleia Rossi. 

Questionado o motivo que o fez apoiar Bolsonaro, Melo analisou que “aos trancos e barrancos, a economia voltava a crescer” e o “combate à corrupção” como fatores que o levaram a abrir seu voto. Ele também fez críticas à condução econômica dos governos do PT . “Anunciei meu voto e apoio ao Bolsonaro, diferente de muitos que ficaram na moita e votaram no PT no meu partido, que já aparecem agora por aí. Tive opinião e a coragem de dizer que votaria no Bolsonaro. Tenho dever de não me omitir”, explicou o prefeito que revelou ter votado no PT uma única vez, justamente em Lula, em 1989.

Governador? "Narrativa de whatsapp"

Melo apoiou também Onyx Lorenzoni (PL) ao Piratini, mesmo tendo o agora vice-governador eleito Gabriel Souza (MDB) na chapa de Eduardo Leite (PSDB). Ele disse torcer para que Gabriel seja um “grande vice-governador” e que vê como natural um eventual desejo do correligionário disputar o cargo máximo do executivo estadual daqui quatro anos.

Sobre o rumor que queria ele mesmo ser o candidato da legenda em 2026, o prefeito chamou de “narrativa de grupos de whatsapp”. “Meu foco é prefeitura, prefeitura e prefeitura. Eu vou trabalhar para o cidadão”, garante. Melo disse não saber se concorrerá à reeleição à prefeitura em dois anos, mas garantiu que “o projeto concorrerá”, citando seu nome e do vice Ricardo Gomes (PL) como possibilidades. 

Manifestação no CMS

A manifestação que segue junto ao Comando Militar do Sul, na Capital, também esteve em pauta. “Sou totalmente contrário a qualquer intervenção militar. A eleição terminou e os eleitos têm que tomar posse. Mas não cabe a mim, como prefeito, decidir onde as pessoas vão se manifestar”, afirmou.

Sebastião Melo nega ter autorizado a instalação de banheiros químicos para os participantes da vigília. O prefeito disse não querer “incendiar um país que não quer mais incêndio” e que a ele como chefe do executivo municipal “compete cuidar do trânsito, entre outras coisas”. 

“Se tiver um acampamento do PT em algum lugar, agirei da mesma forma. Vale para esquerda, pro centro e para a direita. Sou um democrata”,afirmou. O prefeito da Capital garantiu que destacou a EPTC para garantir o “direito de ir e vir” dos cidadãos.

 

 


Assinante
Exclusivo para assinantes
Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895