Sebastião Melo: “Vamos ver quem tem experiência para erguer essa cidade em momento de crise”

Sebastião Melo: “Vamos ver quem tem experiência para erguer essa cidade em momento de crise”

Candidato do MDB foi o mais votado e estará no segundo turno com Manuela D'Ávila (PCdoB)

Henrique Massaro

Sebastião Melo (MDB) comemorou resultado na região central de Porto Alegre

publicidade

Com 200.280 votos (31,01%), Sebastião Melo (MDB) chegou ao segundo turno como o candidato à prefeitura de Porto Alegre mais votado. A comemoração foi realizada em um hotel da região central da Capital, com a presença de apoiadores e lideranças partidárias. O emedebista havia marcado entrevista coletiva para as 19h, que acabou sendo adiada em quase quatro horas devido à demora na apuração dos votos.

Somente por volta de 23h30min o candidato fez o seu pronunciamento, agradecendo eleitores e representantes dos partidos que compõem a maior coligação desta eleição, além do ex-prefeito José Fortunati, que lhe declarou apoio após renunciar a candidatura. Ainda afirmou que recebeu ligações dos candidatos Gustavo Paim (PP) e Valter Nagelstein (PSD), que não passaram ao segundo turno. Ele também chamou a atenção para a necessidade de reflexão sobre a quantidade de abstenções durante o pleito.

Veja Também

Melo falou que o segundo turno será uma nova disputa, em que os candidatos terão tempo igual para apresentar propostas. “Vamos ver quem tem experiência para erguer essa cidade em momento de crise”, comentou, citando que suas divergências com Manuela D’Ávila (PCdoB). “Temos clareza que o serviço público pode ser prestado pelo público ou não, desde que ele seja serviço público, e aqui começam as diferenças”, afirmou. 

Como fez em toda a campanha, reassumiu o compromisso com o desenvolvimento econômico, garantindo que, se eleito, não aumentará impostos, cancelará todos os aumentos de IPTU e reabrirá todas as atividades econômicas. “Vamos reabrir essa cidade, porque se a roda da economia não girar, não tem dinheiro para creche, não tem dinheiro para tapar buraco, não tem dinheiro para acolher moradores em situação de rua”, destacou. 


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895