Em meio à crise, olavistas do MEC vão viajar para Paris

Em meio à crise, olavistas do MEC vão viajar para Paris

Durante uma semana, três assessores da pasta viajam com passagens e diárias pagas pelos cófres públicos

AE

Comitiva participa de eventos considerados "assuntos laterais" da área do ensino

publicidade

Em um momento de austeridade nos gastos e de crise no Ministério da Educação, três assessores da pasta ligados ao escritor Olavo de Carvalho vão viajar para Paris, com passagens e diárias pagas pelos cofres públicos, destaca o jornal O Estado de S. Paulo. Entre os dias 6 e 14, participarão de eventos que a equipe da pasta classifica como "assuntos laterais" da área do ensino.

Pela agenda oficial, os assessores participam apenas de encontros com integrantes da Delegação do Brasil na Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), da sessão da Education Policy Committee (EDPC) e da visita à Casa França-Brasil. Integram a comitiva Bruna Luiza Becker, assessora especial do MEC, Mariana Nascimento Santos, chefe interina da Assessoria Internacional da pasta, e Murilo Rezende Ferreira, assessor do gabinete do ministro Vélez Rodríguez.

O jornal procurou o MEC para saber a razão da viagem e os custos. Até as 19h40 não havia obtido resposta. Todos os integrantes do grupo fazem parte da equipe de "olavistas", seguidores do escritor Olavo de Carvalho, que na gestão de Jair Bolsonaro passaram a trabalhar no ministério. O grupo é apontado como um dos pivôs da crise que se instalou em fevereiro, quando o ministro Ricardo Vélez Rodríguez enviou uma carta às escolas, sugerindo que crianças fossem gravadas cantando o Hino Nacional.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895