Erdogan declara embaixadores de dez países "persona non grata" após apoio a opositor

Erdogan declara embaixadores de dez países "persona non grata" após apoio a opositor

Osman Kavala é acusado pelo regime da Turquia de tentar desestabilizar o país

AFP

Erdogan afirma que embaixadores não compreendem a Turquia

publicidade

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, declarou neste sábado, em uma viagem ao centro da Turquia, que os embaixadores de dez países, incluindo os dos Estados Unidos, Alemanha e França, que pediram a libertação do opositor Osman Kavala, serão declarados "persona non grata o mais rápido possível".

"Deveriam conhecer e compreender a Turquia", disse Erdogan sobre os embaixadores, que acusou de "indecência"."Eles têm que sair daqui desde o dia em que pararam de ver a Turquia", acrescentou.

Em um comunicado divulgado na noite de segunda-feira, Canadá, França, Finlândia, Dinamarca, Alemanha, Holanda, Nova Zelândia, Noruega, Suécia e os Estados Unidos pediram "um acordo justo e rápido para o caso" de Osman Kavala, empresário e patrono turco que se transformou em um inimigo do regime, preso há quatro anos sem julgamento. O chefe de Estado turco ameaçou na quinta-feira expulsar os embaixadores, mas sem tomar medidas concretas.

Veja Também

O governo convocou os embaixadores destes dez países na terça-feira passada, considerando "inaceitável" o apelo à libertação do opositor Osman Kavala. Kavala, de 64 anos, é acusado desde 2013 pelo regime de Erdogan de tentar desestabilizar o país. Mais tarde, foi acusado de tentar "derrubar o governo" na tentativa fracassada de golpe de 2016.

Em dezembro de 2019, o Tribunal Europeu dos Direitos Humanos (CEDH) ordenou a sua "libertação imediata", mas foi uma sentença em vão. Um tribunal de Istambul decidiu no início de outubro que Kavala permanecerá na prisão pelo menos até 26 de novembro, apesar das ameaças europeias de sanções contra Ancara.

O Conselho da Europa ameaçou adotar sanções contra o governo turco, que poderiam ser aprovadas em sua próxima sessão - de 30 de novembro a 2 de dezembro - se o opositor não for libertado antes.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895