Evento conservador tem "transmissão ao vivo surpresa" de Bolsonaro
capa

Evento conservador tem "transmissão ao vivo surpresa" de Bolsonaro

Pronunciamento do presidente durou 20 minutos

Por
AE

Pronunciamento do presidente durou 20 minutos

publicidade

O 3º Simpósio Conservador de Ribeirão Preto - realizado neste fim de semana no auditório do Hotel JP, um dos mais tradicionais da cidade do interior paulista - reúne centenas de pessoas, entre políticos, magistrados, empresários e escritores conservadores. O evento defende a difusão do conservadorismo por meio da arte e produção de conhecimento, o apoio ao governo Bolsonaro e a implementação de agenda alinhada com esses valores nas eleições municipais de 2020.

Na manhã desse sábado, o público foi surpreendido com uma transmissão ao vivo de 20 minutos do presidente Jair Bolsonaro que não havia sido previamente anunciada. Ao longo do sábado e do domingo, seis deputados federais do PSL participarão do evento. Entre as mesas do sábado, o fundador do movimento Escola Sem Partido Miguel Nagib liderou o debate "Desconstruindo Paulo Freire, a doutrinação ideológica no ensino, ideologia de gênero e soluções para a educação brasileira".

O descendente da antiga família real brasileira e deputado federal Luiz Philippe de Orleans e Bragança (PSL-SP) participou do "Painel Monarquia" , em que foram abordados "aspectos culturais do Brasil no Império" com liberalismo econômico. Após a fala do presidente, a líder do governo no Congresso, Joice Hasselmann (PSL-SP), disse que a Câmara não está pronta para debater a agenda conservadora de Bolsonaro.

As deputadas federais Bia Kicis (PSL-DF) e Carla Zambelli (PSL-SP) mantiveram o tom ao afirmar que certos temas não podem ser discutidos enquanto Rodrigo Maia (DEM-RJ) for presidente da Câmara. Segundo um dos seus organizadores, o maestro Camilo Calandreli, o evento foi a consolidação de um movimento conservador no interior de São Paulo que começou em 2015, nas manifestações pelo impeachment da presidente Dilma Rousseff. O grupo que coordena o evento, Brasil Limpo, não se identifica como movimento político, reunindo participantes de diversos grupos liberais e conservadores como o MBL, NasRuas e Vem Pra Rua. "O Brasil Limpo se define como um grupo de ação para a luta contra a corrupção e defesa da soberania brasileira", diz a descrição da página criada neste ano.

Segundo Camilo, os custos da organização do evento foram apenas os "operacionais", como hospedagem e serviços de manutenção do espaço. "Há um movimento de empresários de Ribeirão que doam para os nossos simpósios, mas a maior parte foi custeada pela própria organização." A mediação entre a organização e Bolsonaro foi feita pela deputada Kicis. Falando para o público conservador, o presidente citou pautas do seu governo e enfatizou aspectos de temas de comportamento. "Nós não podemos perder a guerra da informação. Deixamos tudo isso muito à vontade no passado e estamos preparando mudança na questão da cultura, da Funarte, da Ancine", disse.

O presidente ainda rebateu as críticas que recebeu por causa dos vetos à Lei de Abuso de Autoridade, medida contestada por seus seguidores nas redes sociais. Neste domingo, são esperados o deputado estadual paulista Arthur Moledo do Val (DEM) e Henrique Viana, fundador do estúdio revisionista Brasil Paralelo. O evento foi gratuito e transmitido na íntegra nas redes sociais do Brasil Limpo.

Nos próximos 11 e 12, o Brasil receberá pela primeira vez a Conferência de Ação Política Conservadora (CPAC), franquia internacional de discussão de conservadorismo, que deve contar com a participação do presidente. Nos Estados Unidos, os ingressos mais caros passam de R$ 20 mil. Donald Trump já era presença constante antes de ser eleito presidente.