Exército mantém solenidades pelo golpe de 1964 até que Defesa e Forças emitam parecer
capa

Exército mantém solenidades pelo golpe de 1964 até que Defesa e Forças emitam parecer

Comemorações militares foram determinadas por Bolsonaro, na segunda-feira

Por
AE

Ofício do Exército recomendou que militares não façam manifestações públicas em relação à solenidade

publicidade

O Comando do Exército determinou às unidades militares que mantenham as solenidades pelo aniversário do golpe militar de 31 de março de 1964. Em caráter "urgentíssimo", um ofício aos quartéis preparado pelo gabinete do comandante Edson Pujol, ao qual o jornal O Estado de S. Paulo teve acesso, pediu também que os chefes das organizações militares aguardem o resultado de uma análise feita pelo Ministério da Defesa e pelas consultorias jurídicas das Forças Armadas sobre "inúmeras" recomendações do Ministério Público Federal contra a realização de solenidades relativas à data de deposição do presidente João Goulart.

• Juíza intima Bolsonaro para se manifestar sobre festejo de 31 de março

As comemorações militares foram determinadas pelo presidente Jair Bolsonaro, conforme divulgou o Estado na última segunda-feira. "Cumpre informar que as Consultorias Jurídicas do Ministério da Defesa e as Consultorias Jurídicas-Adjuntas das Forças Armadas estão elaborando pareceres sobre o tema, os quais estarão prontos no prazo assinalado pelo MPF para resposta", destacou o ofício. "Deste modo, ficam mantidas as solenidades previamente agendadas relativas ao referido evento, até a manifestação dos referidos órgãos."

O ofício às organizações militares, assinado pelo general de Brigada Francisco Humberto Montenegro Junior, chefe interino do gabinete do comandante Edson Pujol, citou trechos dos documentos com a orientação dos procuradores para que os comandantes militares e seus subordinados se abstenham de "promover ou tomar parte de qualquer manifestação pública em ambiente militar ou fardado, em comemoração ou homenagem ao período de exceção instalado a partir do golpe de 31 de março".

• "Não considero um golpe", diz ministro das Relações Exteriores sobre 1964

Representações do Ministério Público Federal nos estados também recomendaram aos comandantes das Forças Armadas a fixação de um prazo de 48 horas, a contar do recebimento dos pedidos, para que informem sobre as medidas adotadas.