Ex-conselheiro de Trump fica em silêncio durante depoimento à PF

Ex-conselheiro de Trump fica em silêncio durante depoimento à PF

Jason James Miller e o empresário Gerald Almeida Brant foram levados para a PF por determinação de Alexandre de Moraes

R7

Jason James Miller, ex-assessor do ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump

publicidade

Os advogados do norte-americano Jason James Miller, ex-assessor do ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump, e do empresário brasileiro Gerald Almeida Brant, informaram que seus clientes permaneceram em silêncio durante depoimento à Polícia Federal nesta terça-feira (7).

A determinação para que prestassem depoimento foi do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes, por suspeita de envolvimento com a promoção de atos contra as instituições do Estado e a democracia.

Ambos foram chamados a depor no posto da Polícia Federal no aeroporto de Brasília quando se preparavam para embarcar para os Estados Unidos. Miller e Brant ficaram em silêncio porque, segundo os advogados, não haviam tido acesso integral aos autos dos inquéritos que apuram a existência de uma rede para propagação de fake news.

Brant vive nos Estados Unidos, e Miller estava no Brasil para participar da Conferência da Ação Política Conservadora, evento realizado na semana passada em Brasília. Durante O ex-assessor de Trump se reuniu com o presidente Jair Bolsonaro neste domingo (5) no Palácio do Planalto.

Manifestantes pró-governo se reuniram em Brasília pela manhã, em protesto contra o STF.

O presidente Jair Bolsonaro fez um discurso inflamado, em que criticou ministros do Supremo Tribunal Federal e falou em ultimato aos três Poderes. À tarde, novas manifestações ocorrerão na Avenida Paulista, com a presença de Bolsonaro que novamente discursará.

Veja Também


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895