Ex-mulher de Bolsonaro não deve ser ouvida na CPI

Ex-mulher de Bolsonaro não deve ser ouvida na CPI

Aprovação de convocação quando senador Randolfe Rodrigues ocupava a presidência gerou tensão na cúpula

CPI deve rever convocação

publicidade

A ex-esposa do presidente Jair Bolsonaro Ana Cristina Valle, conhecida como Cristina Bolsonaro, não deve ser chamada para prestar depoimento à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19, apesar de ter tido a convocação aprovada em sessão da última quarta-feira (15). Conforme apurado pelo R7, a oitiva não é vista como relevante para a comissão. A avaliação é de que não tem a ver com a temática investigada pelos senadores.

A convocação se deu quando o vice-presidente da CPI, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), ocupava a cadeira da presidência. O requerimento foi apresentado de forma oral pelo senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE), que defende que a comissão ainda tem pontos a ser esclarecidos e que os trabalhos não devem ser encerrados na próxima semana, como está previsto. A reportagem apurou que a convocação gerou tensão na cúpula quando o presidente Omar Aziz (PSD-AM) e o relator Renan Calheiros (MDB-AL) discordaram.

Ana Cristina foi citada na última quarta-feira durante o depoimento do suposto lobista da Precisa Medicamentos, Marconny Nunes Ribeiro Albernaz de Faria. A empresa firmou um contrato com o Ministério da Saúde para venda de 20 milhões de doses da vacina Covaxin, do laboratório indiano Bharat Biotech. O governo federal cancelou o contrato após as apurações da CPI.

Albernaz disse que conhece Jair Renan há cerca de dois anos e que tem com ele uma relação de amizade. Ele confirmou que também conhece a mãe do jovem, Ana Cristina, ex-esposa de Bolsonaro. O filho 04 de Bolsonaro também já frequentou a casa do suposto lobista, como mostraram conversas obtidas pela comissão, que estão em inquérito do Ministério Público Federal do Pará.

Diálogos mostram Marconny reclamando que sempre que o filho de Bolsonaro vai à sua casa, o síndico reclama de barulho. "Parece até petista", escreveu.  Aos senadores, disse que Jair Renan esteve na sua casa umas "duas ou três vezes". Ele também se encontrou com o jovem na casa da advogada do presidente Bolsonaro, Karina Kufa, em maio do ano passado. Na ocasião, conheceu o ex-secretário-executivo da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) José Ricardo Santana.

Albernaz também ajudou Jair Renan com a abertura de sua empresa, cujo escritório fica no Estádio Mané Garrincha, como mostram as mensagens de seu celular. À CPI, ele disse que apenas o apresentou a um amigo tributarista que poderia auxiliar na abertura da empresa. "A Cristina eu conheci pelo filho e o Jair, como já tinha falado, eu conheci por amigos em comum logo que ele chegou a Brasília", afirmou.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895