Extrema-direita sofre revés em eleições regionais na França

Extrema-direita sofre revés em eleições regionais na França

Partido nacionalista e anti-imigração francês não venceu em nenhuma das seis regiões das 13 em que estimativas estavam disponíveis

AFP

Extrema-direita sofreu revés em eleições regionais neste fim de semana

publicidade

A ultradireita francesa de Marine Le Pen sofreu um revés neste domingo no primeiro turno das eleições regionais na França, em que a oposição de direita teve uma vitória cômoda, a menos de um ano das eleições presidenciais.

"Uma virada é possível" antes do segundo turno, no próximo domingo, reagiu no canal de TV TF1 o vice-presidente do partido de ultradireita Reunificação Nacional, Jordan Bardella.

Ao contrário do que as pesquisas previam, o partido nacionalista e anti-imigração francês não venceu em nenhuma das seis regiões das 13 em que estimativas estavam disponíveis. O partido presidencial, A República em Marcha (LREM), tampouco foi bem, e suas chances de conquistar uma região são quase nulas.

Com quatro anos de existência, o partido de Macron não conseguiu se impor em nível local, mas pode ser decisivo até o segundo turno para impedir a ascensão da ultradireita. "Foi difícil", reconheceu o porta-voz do governo, Gabriel Attal.

Os ecologistas (EELV), que tiveram um bom desempenho nas eleições municipais de 2020, não foram bem desta vez.

A votação foi marcada por uma abstenção recorde de mais de 66%, de acordo com pesquisas. "O nível de abstenção é particularmente preocupante", declarou o ministro do Interior, Gérald Darmanin.


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895