Fernanda Melchionna e deputados do PSOL protocolam pedido de impeachment contra Bolsonaro

Fernanda Melchionna e deputados do PSOL protocolam pedido de impeachment contra Bolsonaro

Documento destaca que presidente cometeu "crimes de responsabilidade, crimes comuns e quebrou irremediavelmente o decoro exigido para o cargo mais alto da República"

Correio do Povo

Documento seguirá para a presidência da Câmara dos Deputados a fim de ser colocado em pauta

publicidade

A deputada federal pelo Rio Grande do Sul Fernanda Melchionna, acompanhada dos colegas de bancada do PSOL Sâmia Bomfim (SP) e David Miranda (RJ), protocolaram na noite de quarta-feira pedido de impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro, atualmente sem partido. O documento seguirá para a presidência da Câmara dos Deputados a fim de ser colocado em pauta. Os requerentes afirmam que o chefe de Estado cometeu crimes de responsabilidade, crimes comuns e quebrou irremediavelmente o decoro exigido para o cargo mais alto da República, "sendo necessário uma rápida reação do Congresso Nacional, aplicando as sanções cabíveis a esses casos".

"Jair Bolsonaro passou de todos os limites e não tem a menor condição de seguir governando o destino de mais de 200 milhões de brasileiras e brasileiros. Além de cometer crimes de responsabilidade desde o primeiro dia em que pisou no Palácio do Planalto, o presidente, agora, atua de forma irresponsável e criminosa durante a crise do coronavírus", diz Fernanda Melchionna em seu site oficial.

Entre os motivos para impedir a continuidade do presidente, os requerentes citam que a Secretaria de Comunicação do Planalto utilizou as redes sociais oficiais da Presidência para ampliar a convocação dos atos do dia 15 de março, a favor do presidente e contra o Congresso Nacional. "Indo na absoluta contramão da ciência, da Constituição, da lei e dos fatos, o Presidente Jair Bolsonaro não apenas usou as suas redes para celebrar os atos do último domingo, 15 de março, compartilhando inúmeros vídeos e fotos das manifestações em distintas cidades ao redor de todo o País, como, em um ato absolutamente irresponsável, cumprimentou pessoalmente e sem nenhuma proteção dezenas de pessoas que se aglomeraram às portas do Palácio do Planalto, apertando mãos e segurando celulares de apoiadores", lê-se em trecho do documento.

O pedido de impeachmente tem ainda assinatura de outros parlamentares e nomes do meio acadêmico, como as antropólogas Rosana-Pinheiro Machado, Adriana Erthal e Debora Diniz, os filósofos Pablo Ortellado e Vladimir Safatle, o cientista político Luis Felipe Miguel e o economista Plínio de Arruda Sampaio Jr. Da classe artística, destaca para Zélia Duncan e Gregório Duvivier.

Há 3 dias, Melchionna denunciou Bolsonaro à Organização Mundial da Saúde (OMS), para que o órgão notifique o Brasil de suas obrigações e apure os descumprimentos das normas internacionais por parte do presidente da. A manifestação da parlamentar está relacionada ao fato de Bolsonaro ter ido cumprimentar pessoas e ter estimulado aglomerações em manifestações ocorridas no domingo. Segundo ela, trata-se de uma postura extremamente grave e irresponsável diante de uma pandemia em curso, colocando em risco a saúde dos brasileiros e brasileiras, e da população mundial como um todo. 


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895