Governador confirma que planeja encaminhar projeto de reforma da Previdência do RS
capa

Governador confirma que planeja encaminhar projeto de reforma da Previdência do RS

Eduardo Leite salientou que déficit de R$ 12,5 bilhões poderia ser revertido em benefício à população

Por
Luiz Sérgio Dibe

Leite não crê que estados sejam incluídos na reforma do Congresso

publicidade

O governador Eduardo Leite (PSDB) confirmou nesta sexta-feira que planeja encaminhar à Assembleia Legislativa projetos para a reforma da Previdência do Rio Grande do Sul. Em entrevista para o Correio do Povo, Leite apontou que a medida será tomada caso se confirme a exclusão dos Estados na Reforma da Previdência que tramita no Congresso.
"O déficit da Previdência neste ano vai ser de mais de R$ 12,5 bilhões. Isso equivale à metade do que arrecadamos em ICMS, por exemplo. São recursos que poderiam ser revertidos em benefício dos cidadãos em áreas importantes como saúde, segurança e educação, mas que são drenados para pagar a conta desse déficit. Diante da provável manutenção da exclusão dos Estados na Reforma da Previdência no Senado e sem a certeza de que uma PEC paralela sobre o tema prospere ainda neste ano, não teremos outra saída a não ser elaborar uma proposta em nível estadual", declarou o governador.

Eduardo Leite explicou que a definição de idades mínimas, de tempo mínimo de contribuições e de teto para benefícios são alguns dos itens que estão em análise. "Esses pontos específicos estão sendo estudados e avaliados pelas nossas equipes para que possamos elaborar uma proposta que diminua o rombo e possa garantir um equilíbrio maior nos próximos anos. No momento em que tudo estiver concluído apresentaremos as informações aos servidores, bem como as iniciativas que envolvem a reestruturação das carreiras", pontuou.

O governador contou, ainda, que setores da Administração foram designados para a análise dos termos da futura proposta de reforma na Previdência do Estado. "Estamos avaliando o tema com técnicos da Fazenda e do Planejamento e debatendo a questão também com a presença das equipes da Casa Civil e da PGE (Procuradoria-geral do Estado).