Governo anuncia que 19 mil professores emergenciais do RS terão contrato renovado
capa

Governo anuncia que 19 mil professores emergenciais do RS terão contrato renovado

Secretário estadual de Educação, Faisal Karam, garantiu que contratados no regime temporário na área não serão dispensados ao final do ano

Por
Christian Bueller

Segundo o titular da Seduc, o pedido de complementação de cinco mil novas matrículas foi feito há 40 dias e que suprirão, em boa parte, os pedidos de aposentadoria da categoria

publicidade

Por meio de um vídeo, publicado nesta terça nas redes sociais, o secretário estadual de Educação, Faisal Karam, garantiu que os 19 mil professores contratados no regime temporário do Estado na área não serão dispensados ao final do ano. Está em estudo uma possível prorrogação, além do projeto enviado pela Seduc à Assembleia Legislativa para a contratação de mais cinco mil educadores. O anúncio foi feito no dia em que o Cpers/Sindicato promoveu manifestação em frente ao Palácio Piratini, no Centro de Porto Alegre, em defesa dos emergenciais.


“Vamos encaminhar um pedido de autorização junto à AL dos 19 mil contratos em vigor. O que poderá ocorrer é uma realocação de professores de uma escola para outra. Mas os contratos não serão interrompidos em hipótese alguma”, afirmou Karam. Segundo o titular da Seduc, o pedido de complementação de cinco mil novas matrículas foi feito há 40 dias e que suprirão, em boa parte, os pedidos de aposentadoria da categoria. “São cerca de 20 certidões expedidas por dia, é um volume grande de encaminhamentos”, explica o secretário. Estes novos contratos estão fechados até dezembro, segundo Karam, que pretende realizar um concurso público, outra reivindicação dos professores, mas que depende de outros fatores. “Esta pauta está atrelada ao regime de recuperação fiscal do Estado e ao Tribunal de Contas”, conclui.

Centenas de professores e funcionários de escolas participaram do ato na Praça da Matriz. Muitos deles visitaram os gabinetes dos 55 deputados na Assembleia Legislativa, para pedir apoio à aprovação da emenda parlamentar ao PL 392, que autoriza o Executivo a contratar os 5 mil emergenciais. Atendidos parcialmente, os professores continuarão atentos, conforme a presidente do Cpers/Sindicato, Helenir Aguiar. “Continuaremos fazendo pressão. Porque ainda precisamos discutir o salário. Tem colega com dívida no Banrisul e com cartões bloqueados. A situação é terrível”, lembra Helenir, um dia depois da paralisação de educadores da rede estadual liderada pelo sindicato para exigir reposição emergencial de 28,78% e pagamento em dia.

No início da tarde, a reunião de líderes da Assembleia decidiu que o PL 392 não entraria na pauta votações da casa. Mesmo assim, os educadores foram para as galerias expor cartazes e reivindicar a aprovação da emenda. Na próxima terça-feira, a categoria deverá retornar à Praça da Matriz para pressionar os trabalhos da Comissão de Educação da AL. “Precisamos ter a garantia de que o ano letivo de 2020 inicie com o quadro completo de professores e funcionários de escola. Estamos em setembro e ainda faltam educadores em inúmeras escolas”, observou Helenir.