Governo e PSD não fecham acordo sobre PEC dos Precatórios

Governo e PSD não fecham acordo sobre PEC dos Precatórios

Nova reunão com o segundo maior partido do Senado foi marcada para segunda-feira

R7

Nelsinho Trad (PSD-MS) reuniu a bancada para levar as demandas do partido ao líder Fernando Bezerra

publicidade

O governo e o PSD, segunda maior bancada do Senado, não entraram em acordo sobre o texto da PEC dos Precatórios. O partido e o líder do governo no Senado e relator da PEC, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), marcaram uma nova reunião para a próxima segunda-feira. A demora para fechar um acordo mostra a dificuldade que o governo enfrenta para aprovar o texto que abrirá espaço fiscal para o Auxílio Brasil. 

Veja Também

Na reunião desta quarta-feira, Bezerra se comprometeu a levar as demandas do partido ao governo e voltar com uma resposta na segunda-feira. "A reunião foi proveitosa e a demanda principal que recebi foi a atualização dos números, o tamanho do espaço fiscal a utilização do espaço fiscal a questão da programação dos pagamentos do Fundef, para que, na segunda-feira, em novo encontro, a gente possa voltar a conversar e criar, portanto, o ambiente de apoio necessário para que a matéria possa ser apreciada na terça-feira", disse Bezerra.

Atender às demandas do PSD é crucial para o governo pois a bancada, com 12 senadores, está dividida. Como a proposta já enfrenta a restrição de senadores oposicionistas e independentes, o governo não conseguiria, no cenário atual, chegar aos 49 votos necessários em plenário. Podemos e PT já fecharam questão contra o texto e há resistências no PSDB e do MDB, a maior bancada da Casa. 

Já há consenso entre governo e PSD sobre dois pontos: o Auxílio Brasil permanente de R$ 400 e a extensão da desoneração da folha de pagamentos para 17 setores. Mas o partido ainda quer garantias sobre o pagamento dos precatórios em 2022 e  transparência na destinação de todos os recursos do espaço fiscal que será aberto. "Não daremos um cheque em branco para o governo. Há um montante dos recursos que não sabemos o destino", disse o senador Omar Aziz (PSD-AM).


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895