capa

Governo nega ser refém dos caminhoneiros e afirma que dialoga com categoria sem chantagens

Ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, disse que conversas ocorrem por WhatsApp

Por
AE

Ministros explicaram novas medidas em entrevista coletiva nesta manhã

publicidade

Depois de anunciar medidas para aplacar as demandas dos caminhoneiros e as ameaças de novas paralisações, o governo negou que tenha se tornado "refém" da categoria. "Não é se entregar à chantagem de caminhoneiro, é ter consciência da importância", afirmou o chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Augusto Heleno. Em sua fala, ele reclamou que o governo está sendo cobrado como se estivesse "no terceiro mandato" e afirmou que o modal rodoviário não é o ideal para o País, mas foi o escolhido há muitos anos. "Está errado o modal rodoviário, mas fizeram essa besteira há muito tempo. Até conseguirmos instalar modal ferroviário e fluvial leva tempo", afirmou.

O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, disse que os caminhoneiros querem condições mínimas, como estradas em boas condições, e que o governo tem que prover. "Não tem pleito absurdo, são construídos com diálogo, sem chantagem." Segundo o ministro, o governo vem conversando com representantes dos caminhoneiros, por meio do WhatsApp. Uma das medidas que serão adotadas é colocar nos novos contratos de concessão construção de pontos de parada nas estradas. Também serão alterados os contratos atuais com as concessionárias para "impor" a construção desses pontos. "Hoje é obrigatório o descanso, mas não tem lugar. O caminhoneiro é quase que impelido a seguir em uma jornada suicida", afirmou.

Já ministro chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, disse que os governos anteriores foram reativos, agindo apenas depois das paralisações. "Seremos proativos. Vamos construir o cartão caminhoneiro para dar estabilidade no preço do diesel", afirmou. Lorenzoni defendeu que mesmo a linha que será criada pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para caminhoneiros, inicialmente prevista em R$ 500 milhões, poderá ser ampliada, se for necessário. "É demasia exigir que em 100 dias governo tenha solução para todos problemas construídos em 50 anos", completou.