Grupo de mulheres ligadas ao PSol quer candidatura coletiva em Porto Alegre
capa

Grupo de mulheres ligadas ao PSol quer candidatura coletiva em Porto Alegre

Experiência já ocorre nas Assembleias Legislativas de São Paulo e de Pernambuco

Por
Correio do Povo

Sete mulheres ligadas ao PSol lançam proposta de candidatura conjunta na Capital

publicidade

Um grupo de mulheres ligadas ao PSol de Porto Alegre lançou, nesta semana, uma proposta que poderá trazer um elemento inovador à campanha eleitoral desse ano: a candidatura coletiva de sete pessoas para o exercício compartilhado do mandato de vereadora. A experiência já ocorre nas Assembleias Legislativas de São Paulo e de Pernambuco.

Segundo a servidora pública Marlise Paz, que trabalha como assessora de Relações Étnico-raciais no Instituto Federal do RS, a ideia central é constituir um “olhar diverso” sobre a cidade e as frentes de atuação de uma parlamentar municipal. “Além da diversidade de pautas identificadas com as lutas do movimento negro, feminista, da educação, sindical e estudantil, também há um elemento de amplitude da territorialidade e conhecimento da cidade, já que cada uma de nós reside e vive a realidade em áreas diferentes de Porto Alegre”, conta Paz.

Além dela, integram a pré-candidatura Berna Menezes, da executiva nacional do PSol; Neiva Lazzarotto, que é professora e ex-dirigente do Cpers; a professora Simone Flores; Tamyres Filgueira, ex-rodoviária da Carris e servidora Ufrgs; Laís Camisolão, aposentada; e a estudante Victoria Miranda.

Conforme o presidente do PSol de Porto Alegre, vereador Roberto Robaina, as candidaturas coletivas têm o mesmo trânsito que as tradicionais no partido. “É algo positivo. É importante que as pessoas se agrupem, fortaleçam ações em coletividade e se apropriem cada vez mais dos espaços da política, nos movimentos sociais e da atuação em comunidade”, define.