"Há dificuldade na tramitação do projeto de lei anticrime", admite Moro
capa

"Há dificuldade na tramitação do projeto de lei anticrime", admite Moro

Para ministro, ações do Executivo podem trazer avanços para o tema

Por
AE

Moro afirmou que entende grande foco para a reforma da Previdência

publicidade

O ministro da Justiça e da Segurança Pública, Sergio Moro, admitiu nesta sexta-feira, que tem visto "alguma dificuldade" em levar adiante no Congresso o projeto anticrime, que ele apresentou no início do governo Jair Bolsonaro como um conjunto de medidas para combater a criminalidade violenta e a corrupção.

"Apresentamos o projeto no início como uma mensagem clara à população de que estamos aqui e compartilhamos essa solução com o Congresso, mas estamos vendo alguma dificuldade. Houve uma clara priorização da reforma da Previdência, que é compreensível. Mas temos a expectativa de avançar nessa pauta, que é extremamente importante", disse o ministro, em discurso no Fórum de Investimentos Brasil 2019, em Brasília.

Moro acredita, no entanto, que é possível avançar nesse tema por meio de ações do poder Executivo. "Mas não ignoramos a importância do Legislativo", afirmou. Ele citou alguns pontos do projeto, como estimular que pessoas condenadas se desvinculem de facções criminosas e que todas as polícias trabalhem juntas com o compartilhamento de informações. "Precisamos integrar mais as ações das nossas instituições", disse.

Moro também falou sobre a Medida Provisória 885, aprovada nesta quinta-feira, no Senado, e que facilita a venda de bens apreendidos do tráfico de drogas. Segundo ele, a medida dá mais agilidade para a venda de bens e permitirá que o dinheiro seja usado pelo setor público de modo imediato, no combate ao próprio tráfico e no atendimento de dependentes químicos.

O ministro ainda comentou que a MP permitirá a contratação de engenheiros temporários para penitenciárias, para suprir falta de projetos nessa área. O ministro disse ainda que não concorda com a tese de abrir portas das cadeias para liberar presos.