Leite amplia negociação para pagar precatórios

Leite amplia negociação para pagar precatórios

Em Washington, governador gaúcho buscará por financiamento de 500 milhões de dólares para quitar parte do estoque da dívida do RS

Guilherme Baumhardt, direto de Washington DC

Embaixador do Brasil nos EUA, Nestor Forster Jr, recebe comitiva gaúcha

publicidade

A comitiva do governo do Estado chegou a Washington DC, nesta quarta-feira, no terceiro dia da missão nos Estados Unidos. Na cidade, o grupo terá uma série de reuniões, mas uma em especial deverá ter impacto no Rio Grande do Sul a curto prazo: financiamento para o pagamento de precatórios. O assunto será tratado com integrantes do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), em reunião nesta quinta-feira.

Segundo o governador Eduardo Leite (PSDB), as negociações estão em estágio bem avançado e ele espera que a assinatura do financiamento ocorra ainda neste ano. Pelas projeções feitas pelo governo, a ideia é conseguir um empréstimo de 500 milhões de dólares, o que representaria mais de R$ 2 bilhões. 

Ele adiantou que, mesmo com o avançado das negociações, o valor não deve ser liberado em uma única vez, mas gradativamente em um período estimado de três anos. “A expectativa é ter esse contrato assinado ainda neste ano para que possamos, não em um único desembolso, de cerca de 500 milhões de dólares, ter um abatimento no estoque da dívida do Estado com precatórios”, informou Leite. O valor total de precatórios é de R$ 16 bilhões. “Com esse abatimento poderemos, assim, planejar uma curva de pagamento do estoque até o prazo constitucional de 2029”, informou o governador. 

Veja Também

Hidrogênio Verde

A primeira atividade da comitiva em Washington nesta quarta-feira foi um encontro com integrantes do International Finance Corporation (IFC), que é um braço de investimentos do Banco Mundial ao setor privado. Segundo o governador Eduardo Leite, a intenção foi manter conversas sobre projetos do chamado hidrogênio verde, que tem potencial mais elevado de geração energética do que a gasolina, por exemplo. “Acreditamos ser uma vocação importante que o Rio Grande do Sul deve construir. O nosso projeto foi bem recebido e ajuda a colocar o RS sob os olhares do IFC”, avaliou.

Nesse processo de articulação internacional, a comitiva teve outros encontros, como uma reunião com o embaixador do Brasil nos EUA, Nestor Forster Jr., e com empresas do setor de energia. Leite também palestrou em encontro da Câmara Americana de Comércio, na qual apresentou as ações realizadas no RS para a atração de investimentos. Na sexta, grupo viaja para Austin, no Texas.


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895