Marchezan admite flexibilização das restrições ao comércio em Porto Alegre
capa

Marchezan admite flexibilização das restrições ao comércio em Porto Alegre

Prefeito condicionou novas medidas à redução na taxa de ocupação de leitos de UTI

Por
Correio do Povo e Jessica Hübler

Anúncio do prefeito ocorreu em videoconferência nesta sexta-feira


publicidade

O prefeito de Porto Alegre, Nelson Marchezan Jr., afirmou em videoconferência nesta sexta-feira que irá iniciar um planejamento junto às entidades empresariais para discutir a flexibilização nas restrições impostas às atividades econômicas. No entanto, o prefeito alertou que essas novas medidas só serão tomadas se a cidade apresentar uma redução de demanda de leitos de Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) e na circulação de pessoas.

"Duas semanas atrás fizemos uma proposta de fechamento mais agressivo e uma restrição maior. A gente poderia iniciar a liberação semana que vem, mas não conseguimos o apoio integral, que vimos hoje nos times de futebol para essa ideia de isolamento. Então, semana que vem a gente vai começar a discutir com as entidades empresariais pra fazer um planejamento de diminuição de restrições", disse Marchezan, que reforçou que a flexibilização só ocorrerá "se a demanda por leitos de UTIs não aumentar e se a circulação de pessoas diminuir ou não aumentar o suficiente pra pressionar os hospitais na cidade".

A manifestação ocorreu logo após o prefeito anunciar a liberação de duas partidas de futebol, do Grêmio e do Inter, a serem realizadas neste domingo no Beira-Rio e na Arena. A mudança nos protocolos, segundo ele, acontecem devido a redução de 3% na ocupação de leitos nos hospitais da Capital. 

Nas redes sociais, o prefeito detalhou que as primeiras reuniões para a elaboração do planejamento serão com os setores da indústria, comércio, serviços, construção civil, alimentação, hospedagem, supermercadistas, shopping centers, transporte, religiosos e imprensa. A retomada gradual das atividades deve ocorrer pelos próximos 60 dias.

Nesta sexta-feira, o Sindicato de Hospedagem e Alimentação de Porto Alegre e Região (Sindha) encaminhou uma carta ao prefeito Nelson Marchezan pressionando pela reabertura das atividades. “Este é o nosso último manifesto e ele pede socorro”, consta no documento, que ainda destaca a “situação insustentável” enfrentada pelo setor. 

No texto, assinado pelo presidente Henry Chmelnitsky, a entidade reitera que “desde o início do enfrentamento da pandemia, buscamos dialogar, propor e construir saídas possíveis para o atual momento, mas a falta de previsibilidade e a incerteza de decisões com a qual tivemos que conviver nos gerou um índice enorme de desemprego e falência das empresas”.