"Marchezan traiu Porto Alegre", afirma vice-prefeito Gustavo Paim

"Marchezan traiu Porto Alegre", afirma vice-prefeito Gustavo Paim

Concorrendo à prefeitura pelo PP, Paim foi o sétimo candidato entrevistado na Rádio Guaíba

Henrique Massaro

Gustavo Paim (PP) afirmou que Marchezan não dialoga com o setores da sociedade

publicidade

O vice-prefeito Gustavo Paim (PP) acusou nesta quinta-feira o prefeito Nelson Marchezan Júnior (PSDB) de ter traído a Capital por não ter cumprido promessas e por ter tomado decisões de forma individual ao longo de sua gestão. Os dois estão rompidos há mais de um ano e, recentemente, a ruptura ganhou episódios na Justiça, quando Paim conseguiu a anulação de decretos de Marchezan suspendendo funções de seu gabinete. Ambos concorrem à prefeitura na eleição de 2020. “O Marchezan traiu Porto Alegre e eu estou aqui como candidato para resgatar os compromissos que firmamos em 2016 e recolocar a cidade nos trilhos”, afirmou o candidato em entrevista ao Esfera Pública, da Rádio Guaíba.

Paim disse que diversos projetos que foram prometidos aos eleitores na eleição passada não foram cumpridos por ausência de liderança, sufocamento do Orçamento Participativo e falta de diálogo do prefeito com a Câmara de Vereadores e demais segmentos da sociedade. Citou, por exemplo, que em 45 meses de governo ocorreram 59 trocas em secretarias e que desde o início da pandemia do coronavírus ocorreram mais de 80 decretos, entre eles, os que tiraram competências do gabinete do vice-prefeito. Sétimo dos 13 candidatos à prefeitura que serão entrevistados na Guaíba, Paim afirmou que as divergências entre os atuais prefeito e vice devem se impor ao longo da campanha eleitoral e que a situação deverá ser melhor explicada para os cidadãos.

O progressista reiterou, por exemplo, que representa uma candidatura de centro-direita e que defende as liberdades individuais e econômicas. Citou também que tem como principal bandeira o desenvolvimento econômico, através da geração de emprego e renda em meio à crise agravada pela pandemia e, segundo ele, pela condução do prefeito. Paim ainda se disse favorável à criação de um ambiente tributário menos hostil, garantindo a redução de ISS e revisando a progressividade da alíquota do IPTU dos imóveis comerciais.

O candidato, que, além de advogado, é professor universitário, comentou que a educação municipal não estava preparada para o momento de virtualização exigido pela pandemia e disse que é papel do gestor municipal buscar parcerias com toda a comunidade escolar para buscar soluções. Paim tem como proposta a criação de três escolas cívico-militares em regiões de vulnerabilidade em função dos índices positivos das instituições em relação à evasão escolar e reprovação. “Se pode cuidar melhor da rede municipal, se preparar para o ambiente virtual e, envolvendo toda a comunidade escolar, melhorar a qualidade de Educação em Porto Alegre.”


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895