Ministério da Saúde diz à CPI que tem 134 milhões de vacinas contra Covid-19 para 2022

Ministério da Saúde diz à CPI que tem 134 milhões de vacinas contra Covid-19 para 2022

Pasta ainda afirmou que há negociação com a Pfizer para compra de 100 milhões de doses e opção de compra para mais 50 milhões

R7

Pasta ainda afirmou que há negociação com a Pfizer para compra de 100 milhões de doses e opção de compra para mais 50 milhões

publicidade

O Ministério da Saúde afirmou, em resposta enviada à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19, que tem previsão de 134,2 milhões de doses de vacinas contra Covid-19 para 2022. Essas doses serão remanescentes de 2021, conforme avaliação da pasta. O ministério ainda disse que há uma negociação em andamento com a Pfizer para um novo contrato de aquisição de 100 milhões de doses e opção de compra de mais 50 milhões.

Se no próximo ano for aplicada apenas uma dose de reforço a todos os brasileiros que podem ser vacinados, a quantidade é suficiente. Já se forem duas doses, a quantidade está abaixo do necessário para completar o ciclo vacinal.

O ministério enviou à CPI uma versão preliminar do Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19 de 2022 após cobranças da comissão. No último dia 5, os senadores aprovaram requerimento requisitando do ministro Marcelo Queiroga uma série de informações, como estoque de vacina para este ano, previsão de vacinação para 2022 e justificativa para descontinuação do uso da Coronavac, do Instituto Butantan, no próximo ano.

Veja Também

Os senadores deram o prazo de 48 horas para resposta, o que não ocorreu e gerou uma pressão maior para a aprovação da reconvocação do ministro para prestar depoimento pela terceira vez na comissão.

Outros dois fatos pressionaram a aprovação do requerimento: o anúncio do ministro de interrupção da vacinação de adolescentes, o que depois a pasta voltou atrás, e a notícia sobre a retirada de pauta da reunião da Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias (Conitec) no Sistema Único de Saúde (SUS), na última quinta-feira (7), do item que previa a discussão sobre o relatório contrário ao uso de cloroquina, hidroxicloroquina e ivermectina em pacientes com Covid-19 ou com suspeita da doença que foi elaborado pelo grupo técnico.

Estoque

O ministério informou que a previsão é de necessidade de mais 73,7 milhões de doses para completar a vacinação em 2021. Segundo a pasta, os fabricantes ainda precisam entregar 207,8 milhões de vacinas neste ano, sendo a maior parte (99,9 milhões) da Pfizer, parte da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e o restante da Janssen.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895