"Ministério Público deve ser atuante, mas responsável", defende Aras na posse
capa

"Ministério Público deve ser atuante, mas responsável", defende Aras na posse

Novo PGR afirmou que buscará ampliar o combate à corrupção e ao crime organizado

Por
AE

Aras terá mandato de dois anos na PGR

publicidade

O novo procurador-geral da República, Augusto Aras, afirmou nesta quarta-feira que o Ministério Público deve ser "atuante, mas responsável" com a Constituição em suas ações. O PGR tomou posse nesta manhã para um mandato de dois anos. "Evidente que o Ministério Público deve ser atuante, mas deve ser responsável com o verdadeiro espírito da Carta Magna", afirmou.

Aras se comprometeu a "não trair" os objetivos da instituição e "não se render" a pressões no cargo. "Não concebemos um Ministério Público ausente das vastidões do nosso território, omisso na defesa de nossas riquezas ou de nossa gente". O Procurador-Geral também enfatizou que buscará ampliar o combate à corrupção e ao crime organizado, citando as grandes operações conduzidas pelo Ministério Público, em especial a Lava Jato. "Não há poder do Estado que esteja imune à ação do Ministério Público", disse.

Nesta quarta-feira, em meio à posse de Aras, o Ministério Público Federal deflagra operação contra auditores acusados de cobrar propinas de réus e delatores da Lava Jato em troca de suspensão de multas. O procurador afirmou que os quadros do Ministério Público deverão ser "qualificados e continuamente aperfeiçoados" para afastar "compadrio ou seu aparelhamento". "Onipresente, (o Ministério Público) exige dos seus membros equilíbrio, competência e posicionamento firme", afirmou.

Aras também disse que buscará transformar o Ministério Público em um órgão que "procure soluções para os problemas de interesse nacional". O procurador-geral já havia sinalizado que sua gestão também seria voltada para o crescimento da economia, mencionando a bandeira do "liberalismo" pregada pela equipe econômica de Bolsonaro.