Ministro descarta intervenção do governo em demissões no setor automotivo

Ministro descarta intervenção do governo em demissões no setor automotivo

Armando Monteiro garantiu que acompanha a situação, mas não vê justificativa para intervenção

Agência Brasil

publicidade

As demissões nas montadoras Volkswagen e Mercedes-Benz são localizadas e não justificam ação direta do governo, disse nesta quarta-feira o novo ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Armando Monteiro Neto. Em entrevista aos jornalistas após tomar posse, ele declarou que as empresas e os sindicatos estão perto de encontrar uma solução negociada.

“Não há nenhum problema de caráter mais sistêmico que justifique qualquer ação direta do governo. Existem de 130 mil a 140 mil trabalhadores no setor automotivo. Podemos considerar essas demissões ainda extremamente limitadas”, destacou. “Estamos acompanhando a questão com toda a atenção, mas não há nada que justifique a intervenção do governo.”

De acordo com o ministro, a questão deve ser administrada pelas próprias empresas e pelas entidades sindicais. “Isso (as demissões) é algo que deve cingir na relação entre as empresas e os sindicatos. Na Volkswagen, sei que existe a disposição de as empresas flexibilizarem a posição para encontrar um denominador. Na Mercedes-Benz, as demissões são algo pequeno, pouco expressivo”, destacou.

Trabalhadores das duas montadoras voltaram a cruzar os braços nesta quarta-feira em protesto contra as demissões. A Mercedes Benz dispensou 244 funcionários de um total de 11 mil empregados, de acordo com o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC. A Volkswagem demitiu 800 trabalhadores de um total de 13 mil.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895