Mourão diz que Centrão no governo pode confundir parte dos eleitores

Mourão diz que Centrão no governo pode confundir parte dos eleitores

O vice-presidente afirmou também que não sabe se continuará na política em 2023

R7

Vice-presidente Hamilton Mourão fez a declaração um dia depois do presidente Jair Bolsonaro admitir que é do Centrão

publicidade

O vice-presidente da República, o general do Exército Hamilton Mourão, admitiu na manhã desta sexta-feira (23) que a aproximação do governo com os partidos do chamado Centrão pode confundir parte dos eleitores que votaram no presidente Jair Bolsonaro em 2018. Na quinta-feira (22), Bolsonaro confirmou a nomeação de Ciro Nogueira (PP-PI) para a Casa Civil, um dos principais expoentes do Centrão em uma das pastas mais importantes do governo.

Em sua campanha em 2018, o presidente afirmava que não cederia espaço para os partidos do bloco em sua administração, mas ontem não só defendeu esses partidos como se declarou parte do Centrão. Para Mourão, a mudança de rumo não deve afetar o apoio de "de 25% a 30% da população", que "olha a pessoa, independentemente do partido em que ela está", mas o efeito tende a ser outro nos brasileiros que apostaram em Bolsonaro por causa de suas ideias e programas.

"A outra parte dos eleitores, pessoas que também votaram no presidente mas por uma questão mais programática, esses podem até se sentir confundidos."

O vice-presidente diz que o governo precisar mostrar a esses eleitores que não há razão para abandonar o presidente por causa da aproximação com o Centrão. "Isso vai depender das ações daqui para a frente." 

Mourão comentou ainda que não sabe se vai continuar na política após o fim desse mandato. Cogitou-se que ele lançaria candidatura para o Senado e até que poderia ser vice em uma eventual chapa com o ex-ministro da Justiça Sergio Moro.

Sobre a segunda possibilidade, brincou: "É a dupla M&M, é isso? Não tem nada disso". Em relação à primeira, disse apenas que ainda não decidiu o que fará no futuro.

Veja Também


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895