MPF move ação contra decreto que extinguiu reserva na Amazônia
capa

MPF move ação contra decreto que extinguiu reserva na Amazônia

Ação sustenta que novo texto "não apresenta real modificação do conteúdo do decreto revogado"

Por
AE

publicidade

O Ministério Público Federal do Amapá (MPF-AP) protocolou, nesta terça-feira, na Justiça Federal, uma ação para revogação do decreto presidencial que extinguiu a Reserva Nacional de Cobre e seus Associados (Renca).

Na ação, o MPF-AP argumenta que o decreto "é uma afronta à Constituição e mantém o meio ambiente sob ameaça de ecocídio". A ação sustenta que o novo texto, divulgado na segunda-feira, após críticas de ambientalistas e artistas, "não apresenta real modificação do conteúdo do decreto revogado".

Segundo o MPF-AP, embora a Renca não seja caracterizada como uma unidade de conservação ambiental, é possível classificá-la como espaço territorial especialmente protegido - e, assim, poderia ser alterada apenas por meio de lei específica, conforme a legislação. "O MPF-AP desconhece caso de efetivo sucesso que alie a atividade minerária à proteção da natureza, restando inegáveis prejuízos à população do entorno e ao meio ambiente", disse, em nota.

Um grupo de parlamentares e associações ligadas ao meio ambiente realizará hoje no Congresso Nacional uma mobilização contra a extinção da Renca e outras iniciativas do governo consideradas nocivas ao meio ambiente. "A Renca é só a ponta do iceberg em meio ao ataque que o governo está promovendo, em vários flancos, ao sistema de proteção ambiental do País", disse um dos organizadores, Mário Mantovani, da SOS Mata Atlântica.

Em nota, o Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram) afirmou que "as críticas e os temores infundados" provocados pela notícia da extinção da Renca foram "motivados por mentiras e distorção". A instituição disse que "autorizar mineração na Renca não é, absolutamente, sinônimo de destruição" e que a presença de atividade empresarial tem alto potencial para melhorar a preservação ambiental, pois há compensações socioambientais. "A desinformação deu origem a notícias e análises com embasamento falso, ou fake news. Essas, por sua vez, motivaram parte da sociedade a criticar o ato do governo, sem que pudesse, antes, ter acesso a fontes confiáveis e detentoras de conhecimento técnico sobre mineração. A pressa em noticiar confundiu a opinião pública."