Natalia Pasternak e Claudio Maierovitch apontam na CPI ações do governo que agravaram pandemia

Natalia Pasternak e Claudio Maierovitch apontam na CPI ações do governo que agravaram pandemia

Especialistas prestaram depoimentos à Comissão do Senado nesta sexta-feira

AE

Natalia Pasternak e Cláudio Maierovitch encerraram a semana de depoimentos na CPI da Covid-19

publicidade

A microbiologista Natalia Pasternak e o médico sanitarista Cláudio Maierovitch encerraram, no fim da tarde desta sexta-feira, os seus depoimentos à CPI da Covid, no Senado. Eles apontaram consequências graves do chamado tratamento precoce contra a doença e de outras medidas defendidas pelo Palácio do Planalto que contrariam evidências científicas e que agravaram o descontrole da pandemia no Brasil. 

O uso da cloroquina foi um dos principais temas abordados na comissão. Os dois especialistas ouvidos reforçaram que o medicamento não tem eficácia comprovada para curar ou reduzir os efeitos da Covid-19 em pacientes que contraíram a doença. A CPI pretende responsabilizar integrantes do governo que tenham agido a favor desse tratamento. Além disso, os integrantes da comissão querem apontar um cruzamento ilegal de ganhos abusivos de farmacêuticas com a venda de remédios do chamado 'kit covid', como hidroxicoloquina e invermectina.

Na fala inicial, a microbiologista e pesquisadora da Universidade de São Paulo (USP) Natalia Pasternak adotou um tom crítico ao uso de medicamentos para a Covid-19. A especialista indicou erros na defesa da cloroquina contra o coronavírus devido à falta de evidências científicas a favor do medicamento e afirmou que o fármaco nunca teve a probabilidade de funcionar contra a doença.

"Não funciona em células do trato respiratório, não funciona em camundongos, não funciona em macacos e também já sabemos que não funciona em humanos", disse, afirmando que foram esgotadas as opções de testes para o medicamento. "A gente só não testou em emas porque elas fugiram", ironizou Pasternak, em menção a um episódio em que o presidente Jair Bolsonaro foi fotografado correndo atrás do animal com uma caixa do medicamento.

Aliados de Bolsonaro apresentaram argumentos favoráveis ao uso do medicamento, mostrando dados de quem tomou e se recuperou da doença. Luiz Carlos Heinze (PP-RS) declarou que os médicos pró-cloroquina estavam sofrendo bullying. Para os especialistas, porém, a correlação não significa que a cura foi efeito do remédio. "Para o momento, nós temos evidências suficientes para saber que a cloroquina não produz efeitos benéficos em relação à Covid-19", disse Cláudio Maierovitch, sanitarista da Fundação Oswaldo Cruz e ex-presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Os movimentos contra o isolamento social e o atraso na compra de vacina foram apontados como outras atitudes do governo que prejudicam o combate à pandemia. "Esse negacionismo da ciência perpetuado pelo próprio governo mata", afirmou a pesquisadora.

Máscaras

A audiência ocorreu um dia após o presidente Jair Bolsonaro anunciar um estudo para desobrigar o uso de máscaras para quem se vacinou ou teve a Covid-19 no País, apesar de a pandemia ainda estar em descontrole. A tese foi rebatida pelos especialistas

"A recomendação do uso de máscara é essencial enquanto se continua observando número de casos e óbitos, que é preocupante. Só podemos deixar de usar quando grande porção da população estiver vacinada e quando a curva nos disser que isso é seguro. Não temos nem que olhar percentagem de vacinados, mas a curva da Covid", disse a microbiologista.

Nesta sexta-feira, Bolsonaro ajustou o discurso e disse que a decisão sobre dispensar ou não a máscara cabe a Estados e municípios. O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, reforçou a necessidade de vacinar a população antes de orientar pela retirada da proteção facial. A falta de coordenação nacional no combate à pandemia e a aposta na imunidade de rebanho foram classificadas como negligência do governo pelo ex-presidente da Anvisa.

"É uma atitude que, se a gente olhar do ponto de vista racional, é uma atitude suicida. As pessoas estão sendo impelidas a desejos suicidas", disse Maierovitch, defendendo a organização do plano de vacinação. "O plano de imunização que tivemos é um plano pífio."

Gabinete paralelo

Durante o depoimento, o médico sanitarista criticou o comportamento de colegas de profissão que integram o chamado 'gabinete paralelo' de assessoria ao presidente Jair Bolsonaro em assuntos da pandemia. Sobre a médica Nise Yamaguchi, que à comissão negou fazer parte de um assessoramento "paralelo", Maierovitch disse ter ficado "espantado". "Fui colega de faculdade. Sabendo da experiência anterior, agora assumindo posições e defesa de atitudes anticientíficas, eu estranhei muito", afirmou o sanitarista.

Sobre o virologista Paolo Zanotto, Maierovitch fez as mesmas considerações e ainda pontuou que, apesar de o médico opinar com frequência sobre tratamento precoce, essa não é a área de estudo de Zanotto. "Com todo respeito, ele é um biólogo, virologista, não foi formado para tratar pessoas", disse o médico. Ele ainda classificou o deputado e ex-ministro Osmar Terra (MDB-PR) como alguém hoje mais atuante na política do que na medicina.

Imunidade de rebanho

Cláudio Maierovitch afirmou que o governo federal investiu na tentativa de alcançar uma "imunidade de rebanho" contra Covid-19 através do "custo de vidas". Senadores da CPI investigam se o governo federal teria tentado alcançar a imunidade da população contra Covid-19 por meio da contaminação de pessoas.

Em crítica a este tipo de teoria o médico disse: "Nós não somos rebanho, e não existe nenhum coletivo da palavra 'pessoa' ou 'gente' que seja traduzido como rebanho. Rebanho se aplica a animais, e fomos tratados dessa forma. Acredito que a população brasileira tem sido tratada dessa forma ao se tentar produzir imunidade de rebanho às custas de vidas humanas".

Desinformação

Natalia Pasternak ainda classificou a desinformação com relação a pandemia da Covid-19 como algo que possa ter contribuído com o número de mortes pela doença no País. Mas, segundo ela, não é possível "mensurar quantas pessoas morreram de desinformação", disse.  Ela criticou a falta de adoção, principalmente do presidente Jair Bolsonaro, do uso de equipamento de proteção, como máscaras, para tentar conter a disseminação do vírus.

Veja Também


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895