"Nunca houve comparação entre a pandemia e o Holocausto", diz Renan

"Nunca houve comparação entre a pandemia e o Holocausto", diz Renan

Relator da CPI da Covid traçou um paralelo entre as responsabilidades do colegiado e a do Tribunal de Nuremberg, julgamento que condenou membros da liderança nazista

AE

Calheiros salientou que, apesar do paralelo, a CPI não é um tribunal de guerra nem de exceção

publicidade

O relator da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid no Senado, Renan Calheiros (MDB-AL), negou, por meio das redes sociais, que tenha comparado a pandemia ao holocausto nazista, durante reunião do colegiado. "Nunca houve comparação entre a Pandemia e o Holocausto. O Holocausto é incomparável! Mas é comparável, sim, assustadoramente comparável, a atitude de negação dos oficiais nazistas e de algumas autoridades que depuseram na CPI", escreveu o parlamentar pelo Twitter.

Na manhã desta terça-feira, Calheiros abriu os trabalhos da comissão traçando um paralelo entre as responsabilidades do colegiado e a do Tribunal de Nuremberg, julgamento organizado pelos Aliados após a Segunda Guerra Mundial e que condenou membros de liderança nazista. "Estamos aqui participando de um colegiado com características jurídicas, mas também com natureza política e até policial. Nosso maior desafio, nosso principal dever e missão é fazer um julgamento justo, equilibrado e o mais técnico possível", discursou Calheiros mais cedo. 

"Faço a questão de trazer à memória de todos neste momento talvez o julgamento mais conhecido de todos os tempos, o Tribunal de Nuremberg. Este é um dos julgamentos mais famosos da história. Foi ali que o mundo procurou encontrar respostas para um crime até hoje inconcebível: o genocídio de 6 milhões de judeus nos campos de concentração do regime nazista", continuou o senador na audiência pública que ouviria a secretária de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde do Ministério da Saúde, Mayra Pinheiro. 

Durante seu discurso, Calheiros salientou que, apesar do paralelo, a CPI não é um tribunal de guerra nem de exceção, mas sim uma instituição da Democracia. A comparação irritou os senadores governistas que interromperam a fala de Calheiros, entre eles o líder do Governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE). 

Repercussão

As falas de Calheiros pela manhã receberam o repúdio da Confederação Israelita do Brasil (Conib). Conforme mostrou o Broadcast Político, a confederação informou "repudiar mais uma vez comparações completamente indevidas do momento atual, agora feitas na CPI da Covid, com os trágicos episódios do nazismo que culminaram no extermínio de 6 milhões de judeus no Holocausto".

Veja Também


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895