Polícia Federal quer Temer em quartel da PM
capa

Polícia Federal quer Temer em quartel da PM

Defesa do ex-presidente já havia solicitado para que ele ficasse em uma sala do Estado-Maior

Por
AE

Defesa do ex-presidente já havia solicitado para que ele ficasse em uma sala do Estado-Maior

publicidade

A Polícia Federal encaminhou ofício à juíza federal substituta da 7.ª Vara Criminal do Rio, Caroline Vieira Figueiredo, em que pede autorização para que o ex-presidente Michel Temer (MDB) cumpra prisão preventiva no Comando de Policiamento de Choque da Polícia Militar do Estado de São Paulo. A magistrada pediu manifestação da PM e do Ministério Público Federal a respeito do pleito. A defesa do ex-presidente havia pedido, ontem, para que ele ficasse em uma sala de Estado-Maior, no mesmo local indicado pela PF.

Temer e o coronel reformado da PM João Baptista Lima Filho - o coronel Lima, também preso preventivamente na quinta -, foram autorizados pelo desembargador Abel Gomes, presidente da Primeira Turma Especializada do Tribunal Regional Federal da 2.ª Região (TRF-2), a permanecer em São Paulo, onde vivem as famílias de ambos. Os dois são réus na Operação Descontaminação, que apura propinas nas obras de Angra 3.

Habitualmente, em São Paulo, os presos com direito à sala de Estado-Maior, como o ex-presidente, são alojados no Quartel do 2.º Batalhão de Choque da PM, no bairro da Luz. Temer, no entanto, ocupa uma sala improvisada no 9.º andar do prédio-sede da PF, no bairro da Lapa. A sala, originalmente, é destinada a reuniões e não tem banheiro privativo.

O advogado criminalista Eduardo Carnelós, responsável pela defesa do ex-presidente, afirmou que o emedebista não está alojado em "condições adequadas" e quer transferi-lo para uma sala de Estado-Maior da Polícia Militar. "A sala onde ele (Temer) está hoje é uma sala de reuniões, tem uma mesa enorme de reuniões e tinham colocado uma cama de solteiro encostada num canto, sem um banheiro de ventilação", descreveu o advogado do emedebista.

Ainda segundo Carnelós, "a ventilação é artificial e a janela está fechada, até para manter a privacidade". "Então, a janela é fechada, cortinas e tudo. Aqui, as instalações não são apropriadas, até porque são áreas de circulação de outras pessoas. Mesmo eles tendo isolado esta sala, isso traz dificuldades."

O advogado afirmou que está sendo providenciada uma outra sala, com banheiro, para abrigar Temer. "Eu deixei o presidente lá. Estavam fazendo a transferência da cama, do frigobar, para essa outra sala." Segundo Carnelós, a sala ficaria num lugar de menor circulação. "É preciso garantir que não seja um local de circulação. Aqui há funcionários de empresas terceirizadas, que prestam serviço, não se pode permitir esse tipo de exposição", disse.

Carnelós afirmou ainda que "não se trata de privilégio", mas de direito. "Quero deixar claro que não estamos falando de privilégio, estamos falando de assegurar aquilo que deve ser assegurado, em termos de privacidade, de preservação de intimidade para qualquer pessoa presa. Isso não é só porque ele é ex-presidente", disse o defensor.

Nesta sexta-feira, 10, o ex-deputado Carlos Marun (MDB-MS) visitou Temer, de quem é antigo aliado e foi ministro da Secretaria de Governo. Marun foi a Temer na condição de advogado - sexta não é dia de visitas.