Políticos manifestam pesar por Bebianno e relembram conflito com Bolsonaro

Políticos manifestam pesar por Bebianno e relembram conflito com Bolsonaro

João Doria, Rogério Correia, Janaina Paschoal e Alexandre Frota lamentaram a morte do ex-secretário-geral da Presidência

Por
AE

Ainda não há informações sobre o velório


publicidade

Políticos usaram suas redes sociais nesta sábado para manifestar pesar pela morte, ocorrida nesta madrugada, do ex-secretário-geral da Presidência Gustavo Bebianno. A deputada estadual, Janaina Paschoal (PSL-SP), afirmou que o Brasil "perdeu um homem bom, um homem que trabalhou intensamente pelo bem deste país e nunca se revoltou por ter sido injustiçado". E acrescentou: "há muito tempo, não sinto tanto uma morte. Minhas condolências à família do ex-ministro Gustavo Bebianno".

O deputado federal pelo PT Rogério Correia escreveu que Bebianno sabia de "muitos podres" do presidente. "Na data que se completam dois anos que milicianos ligados à família Bolsonaro mataram Marielle. Gente estranha e inconfiável!", escreveu.

O deputado federal Alexandre Frota (PSDB-SP) afirmou que (o ex-ministro) se foi e levou com ele "muitas verdades". "O desgosto da vida matou Bebianno. Para uns e outros hoje vai ter festa no Palácio. Para amigos e família a saudade, e para o Brasil uma voz importante que se calou", disse o parlamentar.

Por volta das 10h da manhã deste sábado, "Bebianno" liderava os trending topics, assuntos mais comentados no Twitter no Brasil.

PSDB Rio lamenta morte de Gustavo Bebbiano

Em nota divulgada na manhã deste sábado, o PSDB/RJ lamentou a morte do ex-ministro na madrugada de hoje. "O Brasil perde hoje um grande homem, que muito fez pelo país. Sempre será motivo de orgulho para o PSDB/RJ ter a passagem de Gustavo Bebbiano registrada em sua história".

Bebianno estava em casa com seu filho quando se sentiu mal, por volta das 4h, Ao ir ao banheiro tomar um remédio, ele desmaiou. O ex-ministro foi levado para um hospital da cidade, onde morreu. Ainda não há informações sobre o velório.

Doria: Bebianno tinha grande entusiasmo pela vida e em trabalhar pelo País

O governador João Doria (PSDB-SP) manifestou na manhã deste sábado, pelo twitter, pesar pela morte do ex-ministro Gustavo Bebianno. "Com profundo pesar recebi a notícia da morte de Gustavo Bebianno. Seu falecimento surpreende a todos. O Rio perde, o Brasil perde. Bebianno tinha grande entusiasmo pela vida e em trabalhar por um País melhor. Meus sentimentos aos familiares e amigos nesse momento de dor".

Após deixar o governo, Bebianno passou uma temporada nos Estados Unidos. Na volta ao Brasil, se aproximou do governador de São Paulo para quem vinha prestando consultoria. Filiado ao PSDB, ele confirmou sua pré-candidatura a prefeitura do Rio no início do mês.

Santos Cruz: Bebianno "viu a oportunidade de fazer um presidente de direita"

Ex-ministro da Secretaria de Governo de Jair Bolsonaro, Alberto Dias dos Santos Cruz lamentou a morte de Gustavo Bebianno. Os dois foram colegas no início do governo Bolsonaro, ficaram próximos nesse período em que dividiram os corredores do Palácio do Planalto e mantiveram o contato mesmo após ambos terem sido demitidos de suas funções. "Sempre conversei muito com ele. Bebianno era uma pessoa extremamente equilibrada", disse Santos Cruz ao Broadcast.

"Foi um sujeito, não tenho dúvida nenhuma, fundamental para 2018. Foi quem enxergou ali a oportunidade de fazer um presidente de direita e substituir aquele bocado de coisas que vinha já por um longo tempo. É lastimável que ele tenha falecido com 56 anos", disse.

Segundo o presidente do PSDB no Rio de Janeiro, Paulo Marinho, Bebianno estava em um sítio com seu filho quando se sentiu mal, por volta das 4h. Segundo o tucano, teria sido um 'infarto fulminante'. Bebianno estava filiado ao partido e pretendia disputar a prefeitura carioca pela sigla.

Bebianno foi coordenador da campanha de Jair Bolsonaro em 2018. O advogado se aproximou do presidente no início de 2017 e atuou como coordenador da campanha. Ele se tornou presidente nacional do PSL quando Bolsonaro ingressou no partido.


"Corajoso e leal, muita lealdade a quem ele se dedicou a auxiliar", disse ainda Santos Cruz.