"Por mais que me acusem de autoritário, ouço meus conselheiros", diz Bolsonaro
capa

"Por mais que me acusem de autoritário, ouço meus conselheiros", diz Bolsonaro

Presidente citou população como contribuinte para sua tomada de decisões

Por
AE

Bolsonaro também classificou como conselheiro o presidente do STF Dias Toffoli

publicidade

O presidente Jair Bolsonaro disse na manhã desta terça-feira, que, apesar de ser acusado de autoritarismo, escuta conselheiros para decisões que toma. Antes, o mandatário havia apontado como conselheiros, "além da população a qual devo lealdade", autoridades como o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, ministros de seu governo e o presidente do Tribunal de Contas da União (TCU), José Mucio Monteiro.

Bolsonaro e as autoridades citadas por ele participaram de evento da Controladoria Geral da União (CGU) sobre combate à corrupção. "Ouso dizer que meus conselheiros, além da população a qual devo lealdade, são essas pessoas e aquelas ao seus lados", disse Bolsonaro. "Por mais que me acusem de autoritário, para as decisões que tomo escuto grandes partes desses atores que acabei de citar. Porque a chance de errar é mínima, e chance de vitória passa a ser a maior possível", disse Bolsonaro.

O presidente afirmou ter o hábito diário de buscar um versículo bíblico para seguir. Hoje, disse Bolsonaro, a frase lida foi: "Quem sai à guerra precisa de orientação, e com muitos conselheiros se obtém a vitória".