Presidente do Conselho de Ética pede que Chico Rodrigues se afaste

Presidente do Conselho de Ética pede que Chico Rodrigues se afaste

Jayme Campos indica que uma eventual licença de 120 dias para o senador flagrado com dinheiro na cueca evitaria suspeitas sobre a apuração dos fatos

AE

Presidente pediu afastamento de Chico Rodrigues

publicidade

A cúpula do Senado busca montar uma estratégia para salvar o mandato do ex-líder do governo Chico Rodrigues (DEM-RR). O presidente do Conselho de Ética, Jayme Campos (DEM-MT), sugeriu nesta segunda-feira (19) uma licença de quatro meses para o colega, que na semana passada foi flagrado pela Polícia Federal escondendo R$ 33.150 na cueca.

“Eu sugiro para o senador pedir um afastamento por 120 dias para não dizer que está obstruindo o andamento dos trabalhos e a apuração dos fatos. Mas essa é uma decisão pessoal dele, temos que respeitar”, afirmou Campos.

A investigação contra Rodrigues envolve acusações de desvio de recursos destinados ao combate à covid 19. O senador é alvo de representação protocolada pelos partidos Rede e Cidadania no Conselho de Ética. As duas siglas pedem a abertura de um processo contra o parlamentar e a cassação do mandato. Campos encaminhou o pedido para análise preliminar da Advocacia do Senado.

Apesar de toda a movimentação, o Conselho de Ética está com as atividades paradas por causa da pandemia do coronavírus. A decisão de reativar o colegiado para julgar o senador cabe ao presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), que permanece em silêncio sobre o assunto.

Na próxima quarta-feira (21), o plenário do STF (Supremo Tribunal Federal) deve se manifestar sobre a decisão do ministro Luís Roberto Barroso de afastar Rodrigues por 90 dias. Mesmo assim, o entendimento da Corte ainda precisará passar pelo crivo do Senado.

Na prática, os senadores se movimentam para derrubar o veredicto do Supremo, deixando o caso só com o Conselho de Ética. Nesse sentido, a sugestão de um afastamento voluntário foi apresentada para Rodrigues apenas como forma de evitar mais desgaste.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895