Procuradores da Lava Jato ironizam morte de Marisa Letícia e luto de Lula, diz reportagem
capa

Procuradores da Lava Jato ironizam morte de Marisa Letícia e luto de Lula, diz reportagem

Reportagem do Uol mostra que procuradores também manifestaram receio de que houvesse grande concentração de simpatizantes de ex-presidente em atos fúnebres

Por
Correio do Povo

Lula foi mencionado em novos vazamentos da Lava Jato

publicidade

Em nova reportagem que revela troca de supostas mensagens através do aplicativo Telegram, integrantes da da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba ironizaram a morte da ex-primeira-dama Marisa Letícia e o luto do ex-presidente Lula. As mensagens de chats privados foram enviadas por fonte anônima ao site The Intercept Brasil e analisadas em parceria com o UOL

Os diálogos também mostrariam que procuradores divergiram sobre o pedido de Lula para ir ao enterro do irmão Genival Inácio da Silva, em janeiro passado, quando o ex-presidente já se encontrava preso. O temor era de que ocorressem manifestações políticas em favor de Lula. A morte do neto do ex-presidente, Arthur Araújo da Silva, 7 anos, também foi assunto em grupo de mensagens de integrantes do Ministério Público Federal (MPF).

Marisa Letícia sofreu um AVC hemorrágico em 24 de janeiro de 2017. Em troca de mensagens, o procurador Januário Paludo, conforme mostra a reportagem, respondeu "estão eliminado testemunhas..." ao comentário de Deltan Dallagnol de que ela chegou ao hospital "como vegetal".

A morte encefálica da ex-primeira-dama foi confirmada em 3 de fevereiro de 2017. Na véspera, a procuradora da República Laura Tessler, do MPF (Ministério Público Federal) em Curitiba, sugeria que Lula faria uso político da perda da mulher.

Com a morte do neto de sete em março deste ano, Lula obteve autorização judicial e foi ao enterro em uma aeronave cedida pelo governo do Paraná. Deltan teria encaminhou aos colegas notícia sobre um contato telefônico feito entre Lula e o ministro do STF Gilmar Mendes em que o ex-presidente teria se emocionado. O procurador Roberson Pozzobon comenta no grupo "Filhos de Januário 4" que essa era uma "estratégia para se 'humanizar', como se isso fosse possível no caso dele rsrs".

Procurada pelo Uol, a força-tarefa da Lava Jato em Curitiba disse que não poderia se manifestar sem ter acesso integral às conversas. O espaço continua aberto a manifestações de seus procuradores.