Projetos de intercâmbio logístico entre Brasil e Uruguai avançam em Brasília

Projetos de intercâmbio logístico entre Brasil e Uruguai avançam em Brasília

Parceria entre os dois países poderia beneficiar o abastecimento de grãos para produção de aves, suínos e leite

Correio do Povo

Heinze tem participado de reuniões para discutir os temas em Brasília

publicidade

Dois projetos de infraestrutura que beneficiarão o intercâmbio logístico do Brasil com o Uruguai avançam em Brasília. Um deles é a efetivação da Hidrovia do Mercosul, que ligará o norte e nordeste do país vizinho ao sul do Estado, e outro é a construção de uma nova ponte em Jaguarão. O senador Luis Carlos Heinze (PP/RS) tem participado de reuniões para discutir os temas, fazendo a interlocução com o Ministério da Infraestrutura.

Heinze acredita nas potencialidades da parceria entre os dois países, que beneficiaria o abastecimento de grãos para a produção de aves, suínos e leite. O senador ressalta a importância de trazer parte da safra de milho uruguaio ao Brasil. 

A chave para viabilizar a integração, segundo ele, é o fortalecimento do modal hidroviário, estabelecendo um canal direto com o Porto de Rio Grande por meio de hidrovia pela Lagoa Mirim. “A navegação se dará pela Lagoa Mirim, rota que há muitos anos vêm sendo estudada. O rio Tacuarí é afluente da lagoa e abrange os territórios de Cerro Largo, Trinta e Três e Tacuarembó. Regiões com potencial de produção agropecuária e florestal de mais de um milhão de hectares. Este será um grande passo para o incremento econômico das regiões, além de promover o turismo”, destacou o senador. 

Recentemente, Heinze e o prefeito de Jaguarão, Flávio Telis participaram de reunião com o secretário adjunto do Ministério da Infraestrutura, Felipe Queiroz, para solicitar a revisão dos valores do anteprojeto para construção da nova ponte sobre o Rio Jaguarão, na fronteira do Brasil com o Uruguai, entre os municípios de Jaguarão e Rio Branco. 

Heinze sugeriu a inserção do projeto, para construção da nova travessia, nas negociações para renovação da concessão da BR 116 e parte da BR 290, em discussão com a empresa Ecosul. “A ligação tem importância estratégica para os dois países, além de contribuir com a restauração da ponte histórica Barão de Mauá, que já apresenta graves problemas estruturais. Lembramos também, que aquela ponte é o primeiro bem binacional reconhecido pelo Mercosul Cultural, tombado pelos dois países”, destacou o senador. As reivindicações foram protocoladas no Ministério da Infraestrutura e serão analisadas pela equipe técnica. 

A infraestrutura do Estado foi, também, tema de encontro do senador, nesta semana, com diretores da Gerdau, representantes da Camargo Corrêa Desenvolvimento Imobiliário e empresários de São Paulo. 

Foi debatido o aproveitamento de uma área para construção de um hangar intermodal – hidro, rodo e ferroviário, no município de Nova Santa Rita. A ideia é utilizar um terreno no município, com mais de 12 milhões de metros quadrados, para impulsionar o transporte de cargas de toda região.

Projeto do Porto Meridional mais de três mil empregos diretos 

O senador participou, ainda, de reunião com o engenheiro João Acácio Gomes, presidente da DTA – Engenharia Portuária & Ambiental - para analisar a última versão do projeto do Porto Meridional do Litoral Norte, em Arroio do Sal. O terminal será de Uso Privado – TUP – e tem como idealizador o ex-deputado federal e ex-prefeito de Passo Fundo, Fernando Carrion.

Heinze encampou a ideia e trabalhou para agilizar a liberação das licenças em Brasília. “Com investimentos que devem chegar a R$ 5 bilhões e movimentação anual de 30 milhões de toneladas/ano, o novo terminal será concebido para atender as demandas da região norte do Rio Grande do Sul. Além disso, a previsão é de que cerca de três mil empregos diretos e outros 10 mil indiretos, em um conceito porto-indústria, sejam gerados”, apontou o senador.

O encontro contou com a participação de empreendedores, investidores interessados na implantação do porto e dos proprietários do terreno: Adilson Oliveira da Silva, Clovis Fernando do Nascimento, Marco Pasinato, Paulo Cunha, Antônio Rosso e Moisés Mury.

“Não havia um pré-projeto ainda e agora tem. A Secretaria Nacional de Portos e Transportes Aquaviários, do Ministério da Infraestrutura, já autorizou e um documento já tramita na Antaq (Agência Nacional de Transportes Aquaviários) e no Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis)”, destacou Heinze, ressaltando que acessos ao porto “não serão problema”, pois passarão por estradas como as BRs 290, 285, 101 e 453 (Rota do Sol).   


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895