Recadastramento biométrico perto do fim em quatro cidades gaúchas, faltam 13 mil eleitores

Recadastramento biométrico perto do fim em quatro cidades gaúchas, faltam 13 mil eleitores

Prazo em Igrejinha termina na quarta-feira, na próxima semana, encerra-se em Charqueadas, Casca e Getúlio Vargas

Correio do Povo*

Situação também preocupa em Rosário do Sul, Camaquã e Carazinho

publicidade

Com repórteres Agostinho Piovesan, Luiz Sérgio Dibe e Stephany Sander

Na próxima quarta-feira encerra-se o período de recadastramento pelo sistema de biometria dos eleitores de Igrejinha. Na semana que vem, o prazo terminará em Charqueadas, Casca e Getúlio Vargas. Porém, cerca de 13 mil eleitores ainda precisam fazer a biometria nessas cidades. 

Em Igrejinha, mesmo com audiências públicas, distribuição de material em escolas e locais de circulação dos eleitores, ainda faltam ao menos três mil cadastros biométricos. “Desde março estamos convocando a população. Tivemos a visita da presidente do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-RS), desembargadora Marilene Bonzanini, para incentivar a população, e surtiu efeito. Tínhamos uma média de 50 atendimentos por dia, que passou para mais de 170. Mesmo assim, ainda faltam muitos eleitores”, diz a chefe do cartório Kelly Vanessa Stobbe.

Em Charqueadas, apenas neste mês de agosto, foram 5 mil atendimentos realizados no Cartório Eleitoral, segundo o chefe da unidade Luciano França de Brito. “Estamos com os agendamentos lotados e teremos plantão no final de semana, que é o último antes do prazo final da biometria”, explica, destacando que faltam cerca de 5 mil eleitores. “Já temos 63% do total de votantes com o cadastramento biométrico realizado”, finaliza Brito.

No Norte do Estado, o Cartório Eleitoral de Getúlio Vargas intensifica a mobilização dos eleitores. O município possui 13.244 eleitores e aproximadamente 9 mil realizaram o procedimento. Segundo o chefe do cartório, Luiz Fernando Brustolin, a procura cresceu nos últimos dias. Inclusive, o cartório estará aberto no próximo final de semana das 13h às 18h.

Em Casca, no Planalto Médio, a 138ª Zona Eleitoral já procedeu o cadastramento biométrico de aproximadamente 6,5 mil dos 7.598 eleitores. A chefe do cartório, Laura Vieira, disse que nos últimos dias a procura das pessoas aumentou. “Estamos sensibilizando os eleitores a se apressarem e não deixarem para a última hora realizarem o cadastramento e para isso utilizamos os meios de comunicação”, afirmou. O Cartório atende das 10h às 17h.

TRE alerta para importância da biometria

Apesar das mobilizações, atingir a totalidade dos eleitores ainda é desafio nos municípios. A preocupação é que, sem o recadastramento, um contingente significativo de cidadãos ficará com os direitos civis restringidos. “Quem não cumpre o recadastramento tem o título eleitoral cancelado. Fica impedido de votar, de prestar concurso público, de obter passaporte e de negociar financiamentos com agente financeiro público”, explica o coordenador de Gestão de Tecnologia da Informação do TRE-RS, Martinho Marchi.

Ele alerta, ainda, para o fato de que aqueles eleitores que deixarem de participar do recadastramento no período das ações promovidas pela Justiça Eleitoral em seus municípios, provavelmente, enfrentarão maiores dificuldades de fazê-lo no período em que os cartórios eleitorais estarão atuando sem a estrutura especial da biometria.

Destaca que, durante a ação intensiva, o tempo de espera é mínimo, pois há disponibilidade de pessoal e equipamento para o serviço, que costuma demorar entre 10 e 15 minutos. “São registradas imagens de todas as impressões digitais, uma fotografia do rosto e a assinatura do eleitor são gravadas. Basta levar um documento de identidade com foto e um comprovante de domicílio atualizado. Quem comparecer dentro do prazo será melhor atendido”, informa o coordenador do TRE-RS.

Recadastramento no Rio Grande do Sul 

O recadastramento teve início em outubro de 2015 no Rio Grande do Sul. Para fazê-lo, os eleitores devem procurar a Justiça Eleitoral para o alistamento, revisar dados ou mudar seu domicílio e ter seus dados biométricos coletados.

Além desse recadastramento regular, que acontece sempre que o eleitor espontaneamente procura atendimento, também está sendo utilizado, para concluir o processo de coletas dos dados biométricos em determinados municípios, o mecanismo de revisão do eleitorado.

Nesses casos, o TRE fixou uma data final até a qual o eleitor é obrigado a comparecer sob pena de ter seu título cancelado. Até as eleições de 2018 este processo havia sido concluído em 426 municípios. Para as eleições 2020 serão mais 50, conforme datas da tabela abaixo. Nos demais 21 municípios, incluindo a capital, o eleitor já pode fazer sua biometria, mas o prazo final será março/2022. Mais informações aqui


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895