Ricardo Barros foi parlamentar citado por Bolsonaro, diz Miranda à CPI da Covid-19

Ricardo Barros foi parlamentar citado por Bolsonaro, diz Miranda à CPI da Covid-19

Líder do governo teria sido citado pelo presidente Jair Bolsonaro como alguém possivelmente envolvido no esquema suspeito da compra da Covaxin

R7

Para o deputado, o presidente deu a entender que estaria "amarrado" e sem "força de combater" o problema

publicidade

Após ser pressionado por horas pelos senadores da CPI da Covid, o deputado Luis Miranda (DEM-DF) acabou admitindo na noite desta sexta-feira que o parlamentar citado pelo presidente Jair Bolsonaro como alguém possivelmente envolvido no esquema suspeito da compra da Covaxin é líder do governo na Câmara, deputado Ricardo Barros (Progressistas-PR).

Miranda ainda deu mais detalhes de como Bolsonaro teria reagido ao relato seu e de seu irmão na reunião de 20 de março. Para o deputado, o presidente deu a entender que estaria "amarrado" e sem "força de combater" o problema. "O que eu percebi, sem querer proteger, o presidente demonstrou atenção ao que estávamos falando. Ele cita para mim assim: 'Você sabe quem é, né? Que ali é f*, se eu mexo nisso aí, já viu a m* que vai dar. Isso é fulano, vocês sabem que é fulano né?'", relatou Miranda.

"(Deu a entender) que nesse grupo específico não tinha a força de combater. Ele fala o nome, mas não tem certeza também. Fala assim: 'Deve ser coisa de fulano (palavrão), mais uma vez... Vou acionar o DG da PF para investigar'. Não foi uma ação de conivência, foi de 'Estou amarrado'", disse Miranda.

Líder do governo

Antes que Miranda reconhecesse, o nome de Barros já tinha vindo à tona pelo vice-presidente da CPI, Randolfe Rodrigues. Ele afirmou que a fiscal do Ministério da Saúde que deu aval ao procedimento de importação da Covaxin foi nomeada por Barros, quando era ministro da Saúde. Ele foi titular da pasta durante o governo Michel Temer.

No centro das apurações sobre o processo de aquisição da vacina indiana, o empresário Francisco Emerson Maximiano atua no setor farmacêutico há mais de uma década. Seu nome é tido como próximo de Barros. Maximiano é dono de empresas que tiveram contratos contestados por órgãos de investigação em gestões do MDB e do PT, além de uma série de processos judiciais de cobranças de dívidas.

Global

A Global já teve contratos com o governo federal. Enquanto Ricardo Barros era ministro da Saúde, a empresa vendeu, mas não entregou, remédios de alto custo ao ministério, um prejuízo estimado em R$ 20 milhões aos cofres públicos. O Ministério Público Federal move uma ação contra a empresa e, contando os danos coletivos, cobra R$ 119 milhões da Global na Justiça.

Veja Também


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895