Saída da Cidadania foi para buscar entendimento melhor no governo, diz Terra
capa

Saída da Cidadania foi para buscar entendimento melhor no governo, diz Terra

Deputado federal disse que não se interessava por nenhuma embaixada

Por
Correio do Povo e Rádio Guaíba

Osmar Terra disse que irá cumprir o mandato de deputado federal


publicidade

O ex-ministro da Cidadania Osmar Terra (MDB) falou nesta sexta-feira sobre a sua saída da pasta para a entrada de Onyx Lorenzoni. O deputado federal relatou que as modificações tem apenas relação direta com a Casa Civil, que será comandada pelo general Walter Souza Braga Netto. Terra disse que teve uma experiência gratificante no ministério e que seguirá trabalhando em prol do governo de Jair Bolsonaro. 

"Para entender a minha saída, é preciso compreender a minha entrada. Eu fui convidado de forma inesperada e gentil pelo ministro Onyx. Me convidaram pela minha história pessoal. Agora, a minha saída nada tem a ver com o meu ministério. Foi em função de um arranjo, e quem convive sabe disso, até para fazer um entendimento melhor no governo, é preciso mexer na estrutura", explicou antes de fazer uma analogia com futebol. "Às vezes, um que está na ponta esquerda vai para a ponta direita, um que é titular vai para o banco de reservas. Foi um arranjo em cima da Casa Civil e não tem problema algum o Onyx ir para a Cidadania. Terei um longo relatório de sucesso pra fazer", acrescentou. 

Para Osmar Terra, Onyx Lorenzoni é um nome adequado para continuar o trabalho no Ministério da Cidadania. "Hoje, devemos ter cerca de 13,2 milhões de famílias beneficiárias no Bolsa Família. O ministro Onyx participou de toda a discussão do novo programa, e fizemos isso juntos da Casa Civil. Ele conhece o assunto e é a pessoa indicada para tocar o trabalho", declarou.  


Terra explicou que teve uma conversa com o presidente Jair Bolsonaro e que chegou a ser discutida até a criação de um ministério específico de combate às drogas. "Esse foi um raciocínio em voz alta, mas depois fizemos considerações de que não seria possível. Também disse a ele que tinha mandato na Câmara (dos Deputados) e que não me interessava nenhuma embaixada. Vou cumprir este mandato e onde eu puder ser útil, eu estarei à disposição", completou.