Senador quer que STF investigue fala de Bolsonaro sobre Covid e HIV

Senador quer que STF investigue fala de Bolsonaro sobre Covid e HIV

Declaração do presidente da República, que é falsa, foi dada durante a live transmitida na última quinta-feira

R7

Bolsonaro realizou a live na última quinta-feira

publicidade

O senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) protocolou requerimento para que o Supremo Tribunal Federal (STF) investigue a informação falsa feita pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) que relaciona a vacina da Covid-19 ao desenvolvimento da Aids.

O documento, protocolado na CPI da Covid, pretende enviar a declaração ao ministro Alexandre de Moraes, relator do inquérito das fake news que tramita na Suprema Corte, “para exame do potencial cometimento dos crimes, determinando a retirada do conteúdo do ar e adotando demais providências que entender pertinente”.

Em live transmitida na última quinta-feira (21), Bolsonaro relacionou a vacina contra a Covid-19 ao desenvolvimento da Aids. "Relatórios oficiais do Governo do Reino Unido sugerem que os totalmente vacinados (...) estão desenvolvendo a síndrome de imunodeficiência adquirida muito mais rápido do que o previsto", disse o chefe do Executivo.

A informação dada por Bolsonaro, contudo, não procede. Em nota, o Comitê Científico de HIV/Aids da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) afirmou que "não se conhece nenhuma relação entre qualquer vacina contra a Covid-19 e o desenvolvimento de síndrome da imunodeficiência adquirida". Inclusive, ressaltou que pessoas que vivem com HIV/Aids devem ser completamente vacinadas contra a Covid-19 e reforçar a dose de reforço. "Repudiamos toda e qualquer notícia falsa que circule e faça menção a esta associação inexistente", finalizou.

A oposição informou, também nesta segunda-feira, que vai entrar com notícia-crime, junto ao STF, contra Bolsonaro. A informação foi publicada nas redes sociais pela deputada federal Talíria Petrone (PSol-RJ), líder do PSol na Câmara dos Deputados. 

Veja Também


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895