Teich: "Teríamos mais vacinas se tivéssemos assumido risco"

Teich: "Teríamos mais vacinas se tivéssemos assumido risco"

Ex-ministro da Saúde afirmou que vacinação é a única saída para imunizar a população contra a Covid-19

R7

Teich comentou ainda que a estratégia do país foi errada ao defender remédios como a cloroquina

publicidade

O ex-ministro da Saúde Nelson Teich afirmou nesta quarta-feira (5), na CPI da Covid, do Senado, que o Brasil poderia ter mais vacinas hoje se tivesse aceitado os riscos acertando as compras na fase de estudos dos imunizantes. 

"Quem chega depois vai para o final da fila", afirmou Teich. Em sua visão, levou a melhor, com grande estoque de doses, os países que tinham mais dinheiro e capacidade de assumir esse risco, comprando imunizantes que talvez não se mostrassem úteis futuramente.

Segundo o ex-titular da pasta, sua gestão, que durou apenas 29 dias, negociou com os laboratórios Moderna e Johnson e com a Universidade de Oxford a possiblidade de compras de imunizantes ainda na fase de estudos. - segundo matérias da época, isso ocorreu no início de maio de 2020.  

Veja Também

Teich comentou ainda que a estratégia do país foi errada ao defender remédios como a cloroquina e não os imunizantes. "Numa estratégia onde a gente tivesse foco na vacina, a gente teria provavelmente um acesso maior e uma vacinação mais precoce."

Para Teich, como o Brasil desistiu de adquirir as vacinas de forma antecipada, acabou sendo prejudicado na distribuição dos lotes.

Imunidade de rebanho

O ex-ministro afirmou também que a vacinação é a única forma de se adquirir a imunidade da população. "A tese de imunidade de rebanho, na qual você adquire a imunidade pelo contato e não pela vacina, é um erro", declarou.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895