Toffoli critica ataques "atentatórios" e diz ser natural STF não agradar a todos
capa

Toffoli critica ataques "atentatórios" e diz ser natural STF não agradar a todos

Ministro também rebateu críticas sobre o que seria um "ativismo judicial" do Supremo, afirmando que a Corte atua somente mediante provocação

Por
Agência Brasil

Ministro fez levantamento sobre decisões da corte

publicidade

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, criticou o que chamou de "ataques atentatórios" feitos à Corte neste ano. Após fazer um apanhado de julgamentos polêmicos, Toffoli afirmou ser natural que os julgamentos do plenário não agradem a todos. "Foram momentos difíceis, nas redes sociais, observamos robôs atuando no sentido de atacar as instituições. Não é a crítica, porque a crítica é necessária, a crítica é bem-vinda. Lá se tratava realmente de ataques atentatórios à própria democracia", disse. "É natural que o Supremo não agrade a todos, sobretudo quando julga temas controversos, em que a sociedade está dividida. Mas não pode haver espaço contra o STF, pois estamos defendendo a democracia, a liberdade e os direitos humanos", completou.

Em março deste ano, Toffoli determinou de ofício, ou seja, sem provocação externa, a abertura de um inquérito sigiloso para apurar ataques contra ministros do Supremo e seus familiares. A medida foi alvo de críticas de políticos, juristas e do Ministério Público, que até outubro deste ano sequer participava do processo. Sob relatoria do ministro Alexandre de Moraes, a investigação está em curso.

Ao seguir em defesa do Supremo, fez uma espécie de balanço e citou alguns julgamentos polêmicos realizados neste ano, que causaram forte reação, como a criminalização da homofobia, a permissão para a privatização de subsidiárias de estatais, a mudança de jurisprudência sobre prisão em segunda instância e o aval para o compartilhamento de informações entre órgãos de controle e de investigação criminal. 

O ministro também rebateu críticas sobre o que seria um "ativismo judicial" do Supremo, afirmando que a Corte atua somente mediante provocação e que não pode deixar de responder quando provocada. "Não temos a possibilidade de não julgar. É o próprio meio político que leva para um segundo ou terceiro turnos as questões que a democracia deliberou com base nas suas instituições competentes", afirmou o ministro. Ainda em defesa da produtividade do Supremo neste ano, disse que a Corte proferiu 94 mil decisões neste ano, 16,6 mil das quais de modo colegiado, número 20% superior ao ano anterior.