Weintraub nega ser racista ao comentar abertura de inquérito sobre ofensas à China
capa

Weintraub nega ser racista ao comentar abertura de inquérito sobre ofensas à China

Em entrevista à Rádio Guaíba, ministro da Educação garantiu a realização do Enem

Por
Gustavo Chagas / Rádio Guaíba

Ministro garantiu a realização do Enem


publicidade

O ministro da Educação Abraham Weintraub concedeu entrevista à Rádio Guaíba nesta quinta-feira e falou do pedido da Procuradoria-Geral da República pela abertura de um inquérito que investigue as ofensas dirigidas por ele à China. Ele negou que as mensagens tiveram teor racista. No início de abril, o titular da pasta insinuou que o país asiático poderia se beneficiar, de propósito, da crise mundial causada pelo coronavírus. Nas redes sociais, o ministro comparou o estereótipo da pronúncia de imigrantes chineses no Brasil à do personagem Cebolinha, da Turma da Mônica.

O ministro tentou justificar duas declarações. “Pode ver minha cor, minha cor é escura. Eu sou um vira-lata, pé-duro. Eu não sou racista, minha história de vida mostra que eu não sou racista. Tenho vários amigos… Eu não tenho amigo ‘negão’ ou amigo chinês, eu tenho amigo. Ele pode ser de qualquer cor”, afirmou. 

Bolsonaro x Mandetta

Abraham Weintraub ficou ao lado de Jair Bolsonaro no embate com o ministro da Saúde. “O presidente está conduzindo bem, eu confio no presidente. É um time de 22 jogadores e, eventualmente, o presidente faz alguma substituição porque não está gostando do desempenho de um ou de outro”, avaliou.

O titular da Educação ainda citou o americano Abraham Lincoln para ironizar as posições de Luiz Henrique Mandetta. “Você pode enganar poucas pessoas durante algum tempo, mas você não consegue enganar todo mundo durante muito tempo. A verdade está aparecendo aí: a hidroxicloroquina funciona, essa quarentena foi precipitada”, completou Weintraub.

Enem mantido

O ministro da Educação também garantiu que o Exame Nacional do Ensino Médio vai ocorrer de acordo com o calendário previsto pelo governo. “O Enem é em novembro, é só em novembro. Você está me falando que a epidemia vai continuar até novembro e ninguém vai poder mais sair de casa? E o que acontece? Cinco milhões de jovens que fazem o vestibular ficam sem perspectiva?”, questionou.


Nesta sexta-feira (17), termina a solicitação de isenção da taxa de inscrição no Enem. As provas devem ocorrer nos dias 1º e 8 de novembro na modalidade presencial. Além disso, há a previsão de realizar o Exame virtualmente no mês de outubro.