Wizard chega ao Brasil para depor à CPI e tem passaporte retido pela PF

Wizard chega ao Brasil para depor à CPI e tem passaporte retido pela PF

Empresário investigado por suposto 'gabinete paralelo' desembarcou em Viracopos e comparecerá à comissão na quarta

R7

Wizard chega ao Brasil para depor à CPI e tem passaporte retido pela PF

publicidade

O empresário Carlos Wizard chegou ao Brasil nesta segunda-feira (28) em retorno de viagem aos Estados Unidos para depor à CPI da Covid na próxima quarta-feira (30). Conforme solicitação da Comissão Parlamentar de Inquérito e determinação da Justiça, ele teve de entregar seu passaporte à Polícia Federal, e o documento ficará retido até que ele preste depoimento. 

A presença do bilionário fundador de uma escola de idiomas era esperada no dia 17, mas ele não compareceu alegando estar nos Estados Unidos para acompanhar familiares. Wizard é investigado por supostamente participar de um 'gabinete paralelo' que seria responsável pela tomada de decisões na pandemia e pelo aconselhamento ao presidente Jair Bolsonaro. O grupo teria agido em defesa do uso de remédios como a cloroquina, ineficaz contra a Covid-19, conforme entendimento de grande parte da comunidade científica internacional.

STF

O não comparecimento à CPI revoltou os senadores, que pediram à Justiça ordem para a condução coercitiva do empresário e a retenção do passaporte. Os pedidos foram atendidos, mas o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Luís Roberto Barroso suspendeu a ordem para condução coercitiva.

Nas redes sociais, Wizard informou que chegou a Campinas e que seguiria para Brasília. Relatou ainda que viajou em março para o estado de Utah, onde vivem seus pais. Em seguida, foi à Flórida, onde está sua filha Thais, que dará à luz nos próximos dias, afirmou. "Estou com a consciência em paz", disse.

Covaxin

O depoimento de Wizard está marcado para quarta e acontecerá no momento em que a CPI já alterou o foco da atuação do suposto gabinete paralelo para as possíveis irregularidades na compra da vacina Covaxin pelo Ministério da Saúde.

Veja Também

 


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895