Agronegócio gaúcho propõe ao governo federal nova política de crédito rural

Agronegócio gaúcho propõe ao governo federal nova política de crédito rural

Para o economista-chefe da Farsul, modelo atual não têm beneficiado os produtores, mas os bancos

Cíntia Marchi

"Produtos que está segurado não se endivida", afirmou o economista-chefe da Federação da Agricultura do Rio Grande do Sul, Antônio da Luz

publicidade

O economista-chefe da Federação da Agricultura do Rio Grande do Sul (Farsul), Antônio da Luz, apresentou nessa quinta-feira, durante o Fórum de Mercado da 29ª Abertura Oficial da Colheita do Arroz, uma proposta de nova política de crédito rural que o setor do agronegócio está oferecendo à equipe econômica do governo federal. Para o economista, um dos pontos críticos do atual modelo, que considera esgotado, é que os subsídios não têm beneficiado os produtores, mas os bancos. A proposta que defendida em Capão do Leão tem como pilar o seguro rural.

O economista explicou que, pelo projeto, o produtor terá que procurar, primeiro, a seguradora e escolher a sua modalidade de seguro. É neste momento que o acessará o subsídio. Depois, buscará custeio com o agente financeiro. A tendência é que o produtor consiga crédito a juros baratos já que terá garantia de ter sua lavoura segurada. “Produtor que está segurado não se endivida”, reforçou o economista.

Para subvencionar este modelo, Da Luz aponta que há R$ 15 bilhões que o governo gasta atualmente com a agricultura empresarial e outros R$ 4 bilhões com a agricultura familiar em programas, manutenção da máquina pública, pagamento de quadro pessoal e consultorias. “Queremos uma proposta que una três políticas em uma só: seguro, crédito e endividamento, e use os mesmos recursos que hoje são mal empregados”, ressaltou.

Segundo Da Luz, um dos sinais que demonstra que o atual modelo de crédito rural faliu é que, enquanto os custos de produção cresceram 22% da safra de 2013/2014 para a de 2017/2018, os recursos efetivamente emprestados aos produtores caíram 10,44%.Também no Fórum de Mercado, representantes da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) estimaram altas nos preços do arroz em 2019, sobretudo para o segundo semestre, em função de uma menor produção do grão no Brasil e também no Mercosul. Os preços da saca podem chegar a uma média de R$ 52,10, segundo o gerente de Fibras e Alimentos Básicos da Conab, economista Sérgio Santos.

Apesar de uma estimativa de reação nas cotações, que é uma notícia boa para o setor que sofre com preços baixos mesmo na entressafra, há pontos que pesam contra, como a concorrência dos grãos do Mercosul, principalmente do Paraguai, e o baixo consumo de arroz no Brasil. Segundo o diretor executivo do Sindicato da Indústria do Arroz (Sindarroz), Tiago Barata, o consumo nacional do cereal caiu 17% nos últimos 20 anos. Promovida pela Federarroz, a Abertura da Colheita termina hoje na Estação Experimental da Embrapa Clima Temperado, em Capão do Leão, na Zona Sul do Estado.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895