Custos de produção e nova quebra na safra de milho preocupam avicultura gaúcha

Custos de produção e nova quebra na safra de milho preocupam avicultura gaúcha

Em 2021, Asgav reforçará ações na tentativa de aumentar oferta do grão no Estado, um dos principais componentes da ração animal

Cíntia Marchi

publicidade

O setor da avicultura no Rio Grande do Sul deverá fechar o ano com 825,4 milhões de aves abatidas, 0,68% acima do executado em 2019. O crescimento é tímido perto da projeção inicial de até 4% de aumento feita pela Associação Gaúcha de Avicultura (Asgav). Para o presidente executivo da entidade, José Eduardo dos Santos, 2020 vai se encerrando com muita apreensão em relação à permanência da pandemia, aos elevados custos de produção e uma nova quebra da safra de milho no Estado, um dos principais componentes da ração animal.

Em função disso, o dirigente considera que o ano de 2021 reforçará a necessidade de as indústrias fazerem muitas análises em relação aos movimentos de mercado para a tomada de decisões. “Certamente, as empresas irão cadenciar o seu sistema produtivo conforme for se comportando o mercado”, prevê Santos. Os planos de expansão, em termos de exportação e modernização das plantas, segundo o dirigente, poderão ser postergados para o momento em que os custos de produção voltarem a um patamar de normalidade. Ontem, a saca de milho era cotada a R$ 79,27, enquanto que há um ano custava R$ 47, segundo o indicador Esalq/BM&FBovespa.

Santos afirma que a escassez de milho no Estado pautará projetos prioritários da Asgav no ano que vem, como a busca por grão subsidiado pelo governo federal; novas políticas que incentivem a irrigação agrícola no Rio Grande do Sul; viabilização de projetos que apoiem culturas de inverno, como trigo, triticale e sorgo, para ração animal; e mobilização em Brasília para a implantação de ferrovia da região Centro-Oeste para o Sul do país, conforme projeto desenvolvido pela Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA). Na safra 2020/2021, o déficit de milho poderá chegar a 3 milhões de toneladas, segundo o dirigente.

 


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895