Desaceleração das importações de fertilizantes russos preocupam produtores

Desaceleração das importações de fertilizantes russos preocupam produtores

Estima-se que o fluxo de embarcações russas tenha caído a 25%

Patrícia Feiten

publicidade

Apesar das sanções econômicas impostas à Rússia e das dificuldades para o escoamento de produtos, o país mantém o envio de fertilizantes para o Brasil. De acordo com levantamento feito pela consultoria Agrinvest, pelo menos 11 navios transportando insumos deixaram portos como os de São Petersburgo e Murmansk desde o dia 24 de fevereiro, quando teve início a guerra com a Ucrânia, até o dia 15 de abril, sendo a maioria com cargas de cloreto de potássio.

Segundo o analista da Agrinvest Jeferson Souza, os registros no chamado line-up – programação de chegada e partida de navios – nos portos brasileiros indicam que o fluxo de navios russos não foi interrompido, porém está menor. “A maioria deles já chegou ao Brasil e está esperando para descarregar nos portos”, diz. A última das embarcações, transportando 36 mil toneladas de fertilizantes, partiu da Rússia em 4 de abril, afirma Souza.

Com base no line-up, o analista de mercado Marcelo Mello, da consultoria StoneX, estima que o fluxo de embarcações russas tenha caído a 25% das operações pré-guerra. Como os navios que partem da Rússia podem levar de 25 a mais de 50 dias para chegar ao Brasil, observa Mello, a diminuição dos embarques traz preocupações para o plantio da próxima safra de verão no país, que envolve um grande consumo de fertilizantes. “O produto precisa chegar aqui, no máximo, até julho”, diz Mello. 



Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895