Em um mês, apenas 3 casos de ferrugem asiática na soja surgem no Brasil
capa

Em um mês, apenas 3 casos de ferrugem asiática na soja surgem no Brasil

Cenário positivo em todo o país deve marcar recorde de menor incidência da doença desde 2004

Por
Carolina Pastl (sob supervisão de Elder Ogliari)

Ferrugem asiática é a principal doença que atinge a cultura da soja no país

publicidade

Em um mês, ou seja, desde 23 de março, foram reportados apenas 3 casos de ferrugem asiática na soja brasileira, o que representa uma desaceleração frente aos meses anteriores. De fevereiro para março foram 37; de janeiro para fevereiro foram 86; de dezembro para janeiro foram 54 casos. O último caso ocorreu no dia 13 de abril, em Jales, São Paulo. Os dados são do Consórcio Antiferrugem.

O cenário na safra nacional também é otimista. Até o momento, o Brasil registra apenas 194 ocorrências da doença, muito abaixo dos 370 casos na mesma época do ano passado. Como a colheita da soja está praticamente finalizada em seis grandes estados brasileiros, a tendência é que a safra 2019/2020 marque um recorde positivo de menor incidência da doença desde meados de 2004, quando o levantamento foi iniciado, na opinião da pesquisadora da Embrapa Soja, Cláudia Godoy.

Para ela, o principal motivo dessa menor ocorrência da doença é a baixa incidência de chuvas em todo o país. “O fungo precisa de água para infectar”, justifica. O principal exemplo é o Rio Grande do Sul, com a maior quebra de safra devido à estiagem. Nesta safra, está em 4º lugar, com 22 casos. A primeira posição ficou com o Paraná, com 71 casos, 22,4% a mais que no ano passado. Os paranaenses também são os únicos a registrarem mais casos neste ano em comparação a 2019.