Em ano de estiagem, 21ª Expodireto tem faturamento de R$ 2,653 bilhões

Em ano de estiagem, 21ª Expodireto tem faturamento de R$ 2,653 bilhões

Balanço registrou o melhor resultado dos últimos cinco anos

Por
Nereida Vergara

Balanço da vigésima primeira edição é a maior dos últimos cinco anos


publicidade

Contrariando um cenário que apontava para resultados inferiores ao de 2019, em razão principalmente da estiagem que trará redução significativa na safra gaúcha de grãos 2019/2020 no Rio Grande do Sul, a 21ª Expodireto Cotrijal atingiu a marca dos R$ 2,653 bilhões em faturamento, num acréscimo de 10% em relação a edição do ano passado quando o resultado foi de R$ 2,419 bilhões.

Do total anunciado pelo presidente da Cotrijal, Nei Manica, R$ 2,255 bilhões correspondem as intenções de negócio na área de máquinas, em operações realizadas com instituições financeiras tradicionais, representando um incremento de 46% sobre 2019, quando os negócios neste segmento chegaram a R$ 1,548 bilhão. Os bancos de fábrica contribuíram com R$ 262 milhões em propostas, 24% a menos que no ano passado, e as compras com recursos próprios do produtor chegaram a R$ 125 milhões, 47% a menos que em 2019. 

O faturamento da 21ª edição é a maior dos últimos cinco anos e representa um crescimento de 67,8% em relação ao resultado da feira em 2016, de R$ 1,581 bilhão. "No início da Expodireto havia preocupação com a seca e o que se podia esperar. Mas tivemos fatores que influenciaram o resultado positivo e o primeiro deles foi o fato de que muitos produtores vieram capitalizados", comentou Manica.

O dirigente ressaltou que a maioria dos equipamentos são adquiridos por financiamentos, que têm prazos de carência e começam a partir do ano que vem, o que favorece o produtor. Além disso, ressaltou, o alto número de intenções de negócio fechadas com outros estados do Brasil, citando como exemplo a presença na feira do vice-governador do Amapá, Jaime Nunes, que sozinho comprou 20 máquinas.

As rodadas de negócio no Pavilhão Internacional somaram R$ 10 milhões, 97% a menos que na 20ª Expodireto. A discrepância foi explicada pelo coordenador do espaço, Evaldo Silva Júnior, considerando a mudança de organização das reuniões entre os investidores, antes concentradas no pavilhão e neste ano realizadas individualmente nos estandes. Já o Pavilhão da Agricultura Familiar, contabilizou vendas de R$ 1,169 milhão, 11% maiores que as de 2019, segundo a Fetag, por conta do aumento no número de participantes, que subiu de 182 estandes individuais no ano passado para 191 neste ano, mas com o abrigo de 226 empreendimentos.


A 21ª Expodireto recebeu a visita de 256 mil pessoas, 4% a menos que em 2019. O público maior ocorreu na quarta-feira, quando 70,5 mil pessoas circularam pelo Parque de Exposições. A edição deste ano contou também com 573 expositores, 7% a mais que no ano passado. O anúncio dos números neste ano foi feito na Arena Agrodigital, estrutura construída para abrigar os eventos de inovação da Expodireto de agora em diante.