Feira de Agricultura Familiar da Expodireto registra alta no faturamento
capa

Feira de Agricultura Familiar da Expodireto registra alta no faturamento

Incremento no valor arrecadado ocorreu pelo aumento no número de expositores

Por
Correio do Povo

Pavilhão da agricultura familiar durante o último dia de Expodireto

publicidade

A Feira de Agricultura Familiar da 21ª Expodireto registrou uma alta no faturamento de 11% em relação a 2019, chegando a R$ 1,169 milhão, contra o R$ 1,052 milhão apurado no ano passado. O incremento no valor arrecadado, entretanto, ocorreu em razão de que a feira teve em 2020 um total de 226 expositores em 191 estandes. No ano passado, de acordo com o assessor de políticas agrícolas para agroindústrias da Fetag, Jocimar Rabaioli, foram 182 empreendimentos individuais.

“Na realidade, o volume médio de vendas por empreendimendo foi menor”, reconhece Rabaioli. Os motivos apontados são os efeitos da estiagem, a queda do poder aquisitivo da população, a preocupação das famílias com o coronavírus e também o fechamento do Portão 2 de acesso ao parque. Neste local, atrás do Pavilhão da Agricultura Familiar, funcionava o desembarque dos ônibus de excursões e um estacionamento que facilitava o acesso do público. “Nossa principal reivindicação para a Cotrijal em relação a 2021 será a reabertura do portão”, diz.

Amauri Krawechuka, de Ijuí, confirma a observação da Fetag. O produtor de embutidos afirma que 2020 foi o seu pior resultado em 5 anos. Ele vendeu 400 quilos de salame, contra os 700 quilos no ano passado, quando fechava o estande mais cedo por falta de estoque. Para os consumidores, a questão maior no encerramento da feira foi a pesquisa pelos melhores preços. Cristina de Quadros, soldadora numa fábrica de máquinas em Não-Me-Toque, junto com as filhas Carolina, de 22 anos, e Alice, de 5, passeava pelos corredores em busca de queijos. Carolina disse que a família sempre vai à feira, pois a variedade de alimentos coloniais disponíveis somente uma vez por ano “é única”.